Conceitos e Princípios

Correntes de Pensamento

Se você procura alguma corrente do veganismo, procure-a dentro da corrente que dá nome a ela, por exemplo, se você procura por veganismo abolicionista vá em abolicionismo, se procura veganismo interseccional vá em interseccionalismo, se procura veganismo pragmático vá em pragmatismo e assim por diante. Vale lembrar que o veganismo não tem qualquer relação intrínseca com ideologias político-econômicas e religiosas que não a libertação animal,todavia ele tem sub-correntes feitas por pensadores que acreditam em outras propostas e assimilam as visões de ambas. Correntes de pensamentos são complexas, quase sempre não tendo um pensamento uniforme, aqui serão mostradas definições simples, mas se houver interesse pesquise mais sobre, o conhecimento nunca é demais

DO VEGANISMO
  • abolicionismo (abolitionism ou abolitionist approach)

Corrente filosófica-política que busca a eliminação de toda forma de exploração animal, advogando pelo respeito aos direitos animais, sem gradualismos (ver pragmatismo). Este movimento advoga que não há justificativa ética e moral para o uso de animais e que eles têm direitos fundamentais que não devem ser violados. Os teóricos mais conhecidos são Gary L. Francione, Tom Regan e Steven Best.

  • animalismo (animalism)

Termo genérico usado para denominar movimentos que lutam pelos direitos animais. Não confundir com o termo satírico criado por George Orwell no livro A Revolução dos Bichos.

  • antiveganismo (anti-veganism)

Visão antropocêntrica, conservadora e reacionária que se opõe ao veganismo e aos direitos animais. Esta ideologia se propõe atacar, depreciar e despolitizar o veganismo e/ou afirmar e incentivar a exploração animal, o antropocentrismo moral e o especismo. É sinônimo de carnismo.

  • novo bem-estarismo (neo-welfarism)

Nome da corrente pragmática do veganismo. Ver pragmatismo.

  • pragmatismo (pragmatism)

Em filosofia é o método que adota como critério da verdade a aplicabilidade e utilidade prática – valor prático – das ideias e conceitos, se opondo a correntes de pensamento idealistas e dualistas. Nesta concepção uma ideia faz sentido a depender de sua aplicação prática, pois se numa ideia não tem relação com experiência e nenhuma diferença prática pode ser identificada então ela não é útil e é desprovida de sentido. Dentro do veganismo, a corrente chamada veganismo pragmático, é uma corrente que acredita que as reformas graduais e bem-estaristas podem levar à libertação animal, pois mudanças são lentas e o abolicionismo, apesar de ser o ideal, é inviável na prática.Os veganos pragmáticos chamam os abolicionistas de veganos idealistas, já os veganos abolicionistas chamam esta corrente de novo bem-estarismo e afirmam que apoiar leis bem-estaristas é um atraso para que seja atingida a abolição.

  • pseudo-veganismo*

Pseudo-veganismo é toda corrente que se auto-nomeia veganismo mas que não respeita sua definição original e suas premissas fundamentais que são os respeitos pelos direitos animais e a busca da libertação animal. Toda corrente intitulada veganismo que seja por fins egoístas e não pelos animais, como é o caso da adequação ao não uso de animais por saúde, por receio de punição divina, pelo meio-ambiente, se desconexos da ética animal são pseudo-veganismo ou apenas vegetarianismo.

  • veganismo (veganism)

Visão filosófica-política e movimento social que busca a eliminação de toda forma de exploração animal pelas mãos do ser humano, seja para alimentação, vestuário, entretenimento, testes científicos, rituais religiosos, trabalho e etc. O veganismo inclui os animais na esfera de consideração moral (se opondo ao antropocentrismo moral e ao especismo), é pautado na ética animal, nos direitos animais e tem como fim a libertação animal, não sendo uma moda, religião, dieta, método de saúde ou medida ambiental como pode-se erroneamente entender (ver pseudoveganismo). Este modo de vida deve ser feito na medida do possível e praticável e está vinculado ao princípio de igual consideração de interesses semelhantes, ao princípio da não-violência e/ou da desobediência civil, e também a senciência. O termo veganismo foi cunhado por Donald Watson que também criou a primeira instituição vegana do mundo, em 1944. Por ser um movimento recente de contra-cultura e não-conservador, apesar de seu aumento exponencial, o veganismo, é bastante difamado, atacado e rejeitado (ver anti-veganismo).

  • veganismo popular (mainstream vegan)

Corrente de ativismo do veganismo que propõe tornar acessível e popularizar o veganismo por meio de ações populares, ações periféricas, ações beneficentes, venda de produtos de baixo custo, com ativismo de divulgação e/ou com educação vegana. Este termo também pode ser usado como sinônimo de veganismo interseccional.

  • Vegan-washing

O uso consciente do veganismo para melhorar a própria imagem, distraindo a atenção das pessoas com relação a outras práticas negativas que se comete. Apropriação do veganismo pelo mercado capitalista.


INTERSECCIONAIS
  • afroveganismo

Movimento de justiça social liderado por veganos de ascendência africana que compartilham uma história comum de opressão baseada na raça que nos dá uma compreensão de como os sistemas opressivos funcionam. Os afro-vegetarianos vêem o veganismo como uma solução viável para os atuais desafios que enfrentam nossas comunidades, bem como um veículo para resistir aos sistemas que estão atualmente explorando o planeta inteiro.

  • ambientalismo (ambientalism)

Corrente filosófica-política que defende a proteção e preservação dos ecossistemas terrestres e do meio ambiente. Opõe-se às práticas humanas predatórias que destroem o planeta e preza pela sustentabilidade.

  • anarquismo

Corrente filosófica-política que defende sistemas de auto-gestão democráticos horizontalizados em contraponto a hierarquias sociais de destaque e a autoridades como o Estado, as instituições religiosas ou oligopólios capitalistas e a propriedade privada. Acredita-se que as opressões sociais só serão superadas com a dissolução destas organizações sociais. Há uma corrente dentro do anarquismo chamada veganarquismo, anarcoveganismo ou libertação total, que acredita que o estado e as hierarquias sociais são desnecessárias e prejudiciais para os humanos e para os outros animais.

  • antiambientalismo

Movimento oposto ao ambientalismo. Esta corrente afirma que o planeta e o meio ambiente não correm risco e não estão sendo degradado pelo ser humano. O antiambientalismo é por muitos considerado uma crença negacionista, pseudociência e política pró-lucro, haja visto que a comunidade é um consenso entre a maioria da comunidade científica sobre a ação humana estar afetando consideravelmente o meio ambiente.

  • antropocentrismo

Corrente filosófica-religiosa que coloca o ser humano como centro do universo e como fim de todas as coisas. O antropocentrismo afirma que os humanos são especiais e tem valor singular, ao passo que todo o resto, sejam animais ou o restante da natureza, são recursos (meios) para seu uso. Nesta visão coisas e animais não-humanos têm valor meramente instrumental para os humanos, podendo ser usados e/ou explorados como meio para atingir o fim que se deseja.

  • antropocentrismo moral (moral antropocentrism)

Dentro da filosofia é a corrente moral-filosófica, decorrente da visão antropocêntrica, que afirma que o centro da preocupação moral mais relevante é o ser humano, assim todo o restante tem menor valor. O antropocentrismo moral justifica o especismo e o antiveganismo, pois sustenta que os humanos, a partir de seus interesses, podem explorar os ecossistemas e os outros animais, que acabam por ter o status de objetos-coisas-propriedades.

  • bem-estarismo (animal welfare)

Visão filosófica-política de cunho antropocêntrico que afirma que é aceitável usar animais não-humanos contanto que eles sejam tratados humanitariamente, isto é, que se evite seu sofrimento desnecessário e que não sofram maus-tratos. O movimento bem-estarista tem como foco a regulamentação da exploração animal e não a abolição ou libertação animal, como faz o abolicionismo.

  • biocentrismo

Visão que afirma que todas as formas de vida tem igual importância. Esta concepção propõe que os direitos naturais devem ser estendidos a todos os elementos da natureza, portanto, se opõe ao antropocentrismo declarando que a humanidade não é o centro da existência e que todos ecossistemas devem ser preservados. Um de seus principais pensadores é Roderick Nash.

  • carnismo (carnism)

Termo criado por Melanie Joy que se refere a ideologia que condiciona pessoas a comerem, incentivarem e/ou defenderem o consumo carne. Posteriormente o termo foi atualizado abrangendo outros produtos de origem animal (ver antiveganismo). Muitas pessoas no mundo atual tem condição de deixar de comer animais, então esta é uma escolha e não uma necessidade, optar por se alimentar de carne, portanto, é uma ideologia e esta ideologia é o carnismo.

  • comunismo

Sistema filosófico-econômico onde não existe propriedade privada, para ser atingido é implantado anteriormente o socialismo (ver socialismo).

  • conservadorismo

Conjunto de crenças e ideologias que requer a conservação do estado atual político-institucional e social (status quo), sendo contrário a reformas, ou apenas admitindo transformações mínimas e graduais ao invés de mudanças abruptas, se opondo a revoluções. Tal posição filosófica-política defende tradições, costumes e hábitos, estas que muitas vezes são privilégios para alguns grupos em detrimento de outros, e portanto, podem apoiar sistemas de crenças com injustiças, visões imparciais, limitadoras e desiguais da sociedade apenas por lhes convir. No caso da questão animal são mais conservadoras as visões que protegem os privilégios e interesses econômicos dos exploradores dos animais sobre os animais. O antiveganismo é uma visão conservadora.

  • ecologia rasa

Corrente ecológica que parte do antropocentrismo e afirma que a natureza tem valor instrumental, portanto, requer uma preservação da natureza apenas para o uso humano. Visão antropocêntrica da ecologia (ver antropocentrismo).

  • ecologia profunda ou ecocentrismo

Também conhecido como ecologia profunda é uma corrente criada por Arne Naess em oposição a ao antropocentrismo a ecologia rasa esta corrente defende que cada elemento da natureza deve ser preservado para garantir o equilíbrio do planeta. A partir desta perspectiva a natureza tem valor intrínseco e o homem é um membro da natureza, não algo superior a ela.

  • ecologismo

Movimento que defende o equilíbrio entre o ser humano e o meio ambiente, propondo que  suas intervenções devem ser comedidas para não destruí-lo. É sinônimo de ambientalismo e de sustentabilidade ambiental.

  • ecoterrorismo

Conjunto de práticas ilegais, atos de desobediência civil, dentro de uma legislação feitas por motivação ambientalista e/ou de direitos animais. Em praticamente todas legislações os animais são tratados como propriedades, assim o ativismo de ação direta de preservação do meio ambiente e de libertação animal, mesmo que não envolva violência, é definido como ecoterrorismo por ser considerado uma violação do direito à propriedade.

  • ecovegetarianismo

Corrente ecologista do vegetarianismo. Ressalta que as pessoas devem deixar de consumir animais pelo respeito aos ecossistemas, e portanto, devem proteger e preservar o meio ambiente. Alinhamento entre o movimento vegetariano e o ambientalismo. É também chamada de vegetarianismo ambiental.

  • humanismo

Corrente filosófica, surgida na Europa no período de transição entre a Idade Média e a Idade Moderna, que contesta as doutrinas religiosas e suas concepções teológicas, sobrenaturais e obscurantistas, é portanto, valorizado o uso da razão humana, do pensamento crítico e do empirismo em sobreposição ao misticismo e a fé. No humanismo a religião não deve ser vista como alicerce da moralidade e da tomada de decisões humanas. Este movimento ajudou a estabelecer os fundamentos ideológicos do renascimento, dando início a era da ciência. Humanismo, por vezes é usado como a valorização do ser humano, de sua condição e de suas realizações, sendo assim constituído num paradigma homem-natureza (sujeito-objeto) e sinônimo de antropocentrismo (ver antropocentrismo).

  • humanitarismo

Movimento que promove o respeito e o amor pelo próximo e afirma que devemos prestar assistência a pessoas necessitadas visando o bem estar delas. Esta visão preza pela dignidade, compaixão e solidariedade na busca de uma sociedade mais pacífica e justa. É um sinônimo de altruísmo. O humanitarismo tem sido expandido para aqueles que consideram os animais não-humanos dignos de respeito, abrangendo o tratamento humano diante deles também.

  • igualitarismo

Visão filosófica-política que defende igualdade de direitos e de oportunidades, no âmbito político-econômico-social, para todos seres humanos, independente de raça, sexo, sexualidade, religião e etc. Tal concepção nega que os humanos devam ter privilégios naturais e atesta que devem ser tratados isonomicamente pelo estado. Pode-se entender erroneamente que o igualitarismo é uma corrente que nega a diversidade cultural ou que requer que todos humanos sejam absolutamente iguais, porém a igualdade requerida a medida dos interesses iguais, prezando por uma aplicação da justiça de forma imparcial e se opondo muitas vezes à concepções conservadoras e religiosas.

  • interseccionalidade, interseccionismo ou intersetorialidade 

Nascido como uma orientação dentro do movimento pela libertação das mulheres, é o conjunto de correntes que tem a proposta de perceber semelhanças, aproximar e interseccionar diversos movimentos sociais a fim de reduzir as opressões sistêmicas trazendo assim progresso social em todos aspectos. Dentro do veganismo, a corrente chamada veganismo interseccional, busca aliar o movimento pelos animais à causas de libertação focadas em humanos para difusão e fortalecimento de ambas. O veganismo interseccional é criticado por diversos ativistas veganos abolicionistas (ver abolicionismo) por ocasionar discursos que se aliam ao antropocentrismo, deixando em algumas questões os interesses animais não-humanos – que são tratados como propriedade -, em detrimento dos interesses humanos – que são reconhecidos como indivíduos -, em segundo plano. Os abolicionistas argumentam que por existirem muitas causas que se preocupam com a luta da libertação humana, o veganismo não pode ser propor a tratar isto como prioridade, apenas como complemento, e isto não quer dizer desrespeitar humanos.

  • jusnaturalismo ou direito natural

 

  • liberalismo

Visão filosófica-política-econômica que defende a liberdade individual e igualdade na esfera política, social-econômica e religiosa e faz a defesa da propriedade privada, se opondo ao forte controle do Estado na economia e a coercitividade na vida das pessoas, ou seja propõe um governo limitado, a livre concorrência e o livre mercado. Segue a premissa individualista – contrária ao coletivismo – que todo indivíduo têm direitos humanos naturais inatos e que a ética deve ser aplicada à partir de cada indivíduo. John Locke e Adam Smith são grandes nomes de proposições do liberalismo. O capitalismo é o sistema econômico caracterizado por relações econômicas com princípios do liberalismo, ele se baseia na propriedade privada dos meios de produção e na competição e criação de bens ou serviços com fins lucrativos e acúmulo de capital, os liberais, portanto, afirmam que o capitalismo é eficiente. Há dentro do movimento vegano liberais-capitalistas que acreditam que este sistema pode levar a emancipação humana e libertação animal, estes são em sua maioria da corrente pragmática (ver pragmatismo). Em contraponto, outros dizem que o capitalismo leva a desigualdade por ser um sistema individualista que tem como objetivo o lucro e ao acúmulo (de propriedade e de poder), estabelecendo desigualdade, nesta visão a luta dos animais não pode ser alcançada sem o rompimento deste sistema, estes estão majoritariamente nas correntes interseccionais (ver interseccionalidade).

  • libertação total

 

  • livre pensamento

Corrente filosófica que rejeita misticismo, superstição, dogmas, e tradições e sustenta que opiniões não podem ser desprovidos de fortes evidências e sempre devem ser sempre baseados nos fatos, na razão e na ciência. É sinônimo de racionalismo.

  • naturebismo

Termo genérico, por vezes pejorativo, relativo a movimentos que pregam um estilo de vida natural e fundem misticismo, naturismo e práticas alternativas à medicina que são ditas pseudociências. Há um esteriótipo que associa veganos ao naturebismo, o que pode ser usado para fazer críticas pejorativas e o despolitizar (ver antiveganismo), haja visto que apesar de haver veganos “naturebas”, não são maioria no movimento.

  • pós-humanismo

É qualquer corrente filosófica que abranja o campo da moralidade além do ser humano, que procura a superação do humanismo e de sua negligência diante da natureza e dos animais. Os direitos animais e os direitos da natureza são campos de superação do direito antropocêntrico e buscam uma valoração inclusiva, portanto, são campos pós-humanistas e visam estabelecer novos paradigmas. O pós-humanismo não buscar afirmar o humano como ser superior e sim reconhecê-lo como é, parte da natureza, nisto os direitos animais rompem as fronteiras e se apoiam nas semelhanças entre animais humanos e não-humanos.

  • radicalismo (radicalism)

Em filosofia são correntes que pregam uma transformações radicais na sociedade. Radicalismo refere-se também à correntes tradicionais e idealistas que dão base à ideologias. O termo pode ser usado pejorativamente para ideologias que buscam imposição de forma anti-democrática. Para pessoas não-veganas e antropocêntricas qualquer corrente do veganismo pode ser vista como radical por propor uma mudança brusca na sociedade e ser radicalmente à favor da proteção dos interesses fundamentais dos animais não-humanos em oposição à exploração animal pelos humanos.

  • reacionarismo

É a visão que tem nostalgia de condições do passado e requer cenários que já se foram. Este fenômeno liga-se à memória coletiva e muitas vezes opõe-se aos fatos historiográficos. Este ideal também tem a conotação daquilo que se opõe ao revolucionário e que reage as transformações sociais.

  • reformismo

É a doutrina política que afirma que o progresso e a transformação da sociedade deve ser feita com reformas graduais a partir de instituições que já existem, se opondo ao conservadorismo e a revoluções. A corrente pragmática dentro do veganismo é de cunho reformista (ver pragmatismo).

  • senciocentrismo, dolorismo ou dorismo (painism)

É uma perspectiva filosófica-moral que afirma a capacidade de sentir dor é o único interesse moralmente relevante, assim fatores como o grau de consciência, racionalidade ou de inteligência não são fatores importantes para uma escolha. Nesta visão a ação moral correta é a que baseia-se em evitar ou diminuir a dor dos indivíduos que sofrem. O senciocentrismo é uma extensão do utilitarismo e se difere desta pespectiva pois não permite que uma minoria sofra por causa da maioria, ele enfatiza a importância dos indivíduos que sofrem e não toma um cálculo de dor gerada por uma ação como faz o utilitarismo. Richard D. Ryder é o principal proponente desta perspectiva.

  • socialdemocracia

É uma doutrina política que apoia que o Estado faça intervenções para promover justiça social dentro de um sistema capitalista e mantenha a democracia. Faz a defesa de um capitalismo sustentável e com baixa desigualdade social. O movimento foi criado por socialistas que acreditavam que a transição para um sistema socialista deve ser feita de forma gradual e não revolucionário, e portanto, é um movimento reformista (ver reformismo). Seu principal proponente foi Ferdinand Lassalle.

  • socialismo

Visão filosófica-política-econômica que se opõe ao liberalismo e exige a coletivização dos meios de produção e divisão igualitária da renda tendo em vista o fim da dissolução das classes sociais (comunismo). O socialismo afirma que o capitalismo (ver liberalismo) concentra injustamente a riqueza e o poder nas mãos de uma pequena parcela da sociedade que explora as outras classes inferiores. O socialismo tem diversas vertentes, sendo as principais o socialismo de Estado, que agrega teorias onde os meios de produção devem ser de controle estatal e o socialismo libertário que rejeita a noção do socialismo com o estado centralizando a economia, e propõe uma sociedade livre de hierarquias coercitivas apostando em modos descentralizados, como a democracia direta, o sindicalismo e a auto-gestão do povo, sendo similar ao anarquismo. O socialismo tem como principais pensadores Saint-Simon, Charles Fourier, Louis Blanc, Robert Owen, Karl Marx e Friedrich Engels. Há dentro movimento pela libertação animal uma corrente chamada veganismo socialista, que une ideais do socialismo com veganismo e acredita que os animais só podem ser libertados com um sistema não-capitalista, pois os animais, assim como os humanos, são coisificados e tem sua vida dominada pelas classes poderosas e estão sujeitos a exploração e ao sofrimento.

  • straight edge

É uma corrente cultural e subgênero do punk hardcore surgido no início dos anos 80 que defende o não-uso de drogas, uma dieta vegetariana ou vegana, o consumo consciente, a não-violência e a mudança sociais positivas. Surgiu como uma resposta aos excessos do punk rock. Tem como símbolos as letras sxe e as letras xxx.

  • teocentrismo

É a visão religiosa de que algum deus é o centro de tudo. Segundo a visão científica é expressão do antropocentrismo (ver antropocentrismo). O teocentrismo pode ser descrito como uma alienação pela religião.

  • utilitarismo (utilitarianism)

Visão filosófica-moral consequencialista que afirma que as melhores ações são aquelas que causam mais felicidade, e as piores são aquelas que causam mais infelicidade – dor -, e que, sendo assim, devemos moralmente devemos optar por aquelas promovem a felicidade. Esta teoria foi inovadora dentro da filosofia moral, pois afirmou que o que determina uma ação é boa ou ruim são suas consequências, sua aplicabilidade independe de religião, pois seu princípio é material. Diante dela a felicidade e a dor de cada indivíduo recebe “igual consideração”. O utilitarismo é dividido em duas correntes: o utilitarismo de ato, que se baseia no princípio da utilidade e é preciso fazer um cálculo das consequências para pensar qual escolha é a moralmente melhor a se fazer – podendo incorrer em injustiças com o prazer de muitos indivíduos justificando o sofrimento de alguns – e o utilitarismo de regra, onde não se julga a partir das consequências de um ato e sim formam-se regras posteriores que promovem por padrão mais felicidade, este sendo parecido com a noção de direitos. O utilitarismo clássico teve três filósofos como principais proponentes: Jeremy Bentham, John Stuart Mill e Henry Sidgwick. O principal expoente desta filosofia na atualidade é o Peter Singer. Na questão animal o utilitarismo pode promover o bem-estar dos animais por considerar a dor e a felicidade deles relevante, mas por não conceber a noção de direitos fundamentais limita-se ao bem-estarismo.


Termos Filosóficos, Ideológicos, Políticos, Ativismo

  • ecologia

Ramo das ciências biológicas que se propõe a estudar a relação dos seres vivos com seu meio natural. Pode ser usado como sinônimo de mesologia.

  • industrialização

Se algo foi industrializado, significa que adquiriu caráter industrial, que foi submetido ao processo de industrialização ou que foi desenvolvido com base no crescimento industrial. Há uma demanda para a pornografia – e é por causa disso que a indústria existe. A indústria trabalha sob regras de demanda e oferta.

  • direitos animais (animal rights)

Também chamado de Direito Animal ou Direitos dos Animais, é uma disciplina pós-humanista dentro do campo do Direito que tem como objeto a proteção dos interesses fundamentais dos animais. Os direitos animais busca englobar os animais como novos sujeitos pacientes de direitos e assim romper com o paradigma antropocêntrico que nesta perspectiva é considerada conservadora. Para os direitos animais cada indivíduo que detém senciência e sua personalidade é considerado um fim em si mesmo. O veganismo é um movimento social pautado na proteção dos interesses animais e busca alcançar o livre desenvolvimento desses seres no planeta, longe da exploração egoísta humana, portanto, está de acordo com direitos animais. O termo direitos animais também é sinônimo de abolicionismo animal.

  • lei da oferta e da procura

Em economia, Lei da Oferta e Procura, também chamada Lei da Oferta e Demanda, é um modelo de determinação de preços num mercado, onde oferta é a produção de bens e serviços e demanda é o desejo e a necessidade dos indivíduos consumirem estes bens e serviços. Há uma crítica social sobre a demanda, pois as demandas da sociedade de consumo muitas vezes são desejos e sobrepõe-se a necessidade e a sustentabilidade. As demandas supérfluas são destrutivas e despolitizadas, criadas como estratégias visando lucro por empresas com ferramentas como marketing e a publicidade (ver consumo consciente).

  • advocacia animal (animal advocacy)

É chamado de advocacia pelos animais qualquer corrente de pensamento que promova os interesses dos animais, isto Inclui aquelas que defendem o bem-estar dos animais até aquelas que lutam pelos direitos dos animais e pela libertação animal.

  • alienação

A alienação é um estado onde os indivíduos perdem a capacidade de agir e de pensar por si, tendo uma anulação da personalidade individual em detrimento de uma corrente de pensamento e acabam por deixar de usar a consciência crítica. No pensamento marxista o termo é relativo a situação em que as pessoas são separadas dos bens que elas mesmas produzem, ou seja, é a alienação sobre as relações de produção. O termo pode ser usado para se referir a qualquer indivíduo ou grupo manipulado (massa de manobra) que lutem por uma causa e não consiga perceber falhas lógicas e sejam intransigentes sobre ideias que não se sustentam.

  • analogia

Analogias são recursos lógicos para mostrar semelhança entre coisas/casos diferentes para afirmar algo mais geral, afirmando que as semelhanças são relevantes. Analogias são bastante utilizadas para ajudar na assimilação de conceitos ou em debates. Dentro do movimento pela libertação animal analogias são usadas na tentativa de despertar consciência sobre a relação destrutiva entre humanos e animais, onde (I) a forma de raciocínio e os mecanismos de opressão entre a exploração animal e a exploração animal são os mesmos e também sobre os (2) a proteção de interesses deve ser válida a partir das semelhanças (senciência) e não das diferenças entre humanos e outros animais. Com a apresentação de analogias os veganos não tem a intenção de subjugar ou desrespeitar humanos, como muitos interpretam.

  • animais como pessoas (status, moral personhood, legal persons)

Em direitos animais (ver direitos animais) afirma-se que o status jurídico dos animais não-humanos dentro do campo do Direito deve ser de sujeitos (pacientes) de direito, ou seja, de pessoas – e não mais objetos. Na prática isto significa que as legislações devem tratá-los como indivíduos e assim ter seus direitos fundamentais reconhecidos, respeitados e protegidos.

  • animais como propriedade (property status of animals)

No campo do Direito propriedade refere-se a algo que tem o status de objeto, isto é, são aqueles que podem ser tratados por pessoas jurídicas como bens (coisas/propriedades). Em ordenamentos jurídicos em estados ao redor do mundo aplica-se a ideia de animais como propriedades, porém a disciplina de direitos animais opõe-se a esta visão exclusivista e requer que os animais sejam reconhecidos como sujeitos-pessoas de direito.

  • antropomorfismo

Dar a objetos, plantas ou animais atribuição de características típicas da condição humana. É comum observar casos em mitologias antigas e crenças religiosas.

  • apatia

Insensibilidade emocional, insensibilidade, indiferença.

  • arbitrariedade

É aquilo que é baseado na vontade, no favorecimento, em um critério qualquer, que aplica dois pesos e duas medidas em casos semelhantes. Princípios arbitrários tendem a se opor a imparcialidade e a justiça. O movimento vegano afirma que escolher como critério características que só os humanos tiveram melhor desenvolvimento como a auto-consciência, a racionalidade, a abstração ou a linguagem é arbitrário, pois os há princípios inclusivos e imparciais que podem ser usados como a senciência.

  • argumento

Alegação na qual se afirma uma consequência. Raciocínio que propõe à dedução ou indução de algo, afirmando ou negando. Nem todo argumento é verdadeiro, a matéria filosófica que se propõe a estudar argumentos é chamada de lógica.

  • ativismo (activism)

Qualquer prática de incentivo à uma causa (doutrina, ideologia ou visão política-filosófica) que vise atingir e transformar outras pessoas. São ditos ativistas aqueles que têm constante atuação na vida política e social insistindo na aplicação da causa.

  • ativismo culinário

Disseminação de uma causa, que demande mudança de alimentação, por meios gastronômicos e culinários. No veganismo é comum que haja ativismo culinário ensinando as pessoas a fazer receitas sem produtos de origem animal para que possam se adequar a uma dieta sem exploração de animais e livre de crueldade.

  • autocrítica

Ato de um indivíduo ou grupo reconhecer seus erros e acertos, qualidade e defeitos, criticando a si próprio. Pode também se referir capacidade de rever concepções errôneas a fim de melhorar-se.

  • autonomia

Independência para fazer escolhas. Capacidade de governar a si mesmo. Praticamente todos animais adultos têm esta capacidade.

  • ação direta

Um termo geral que se refere a várias formas de protesto e ativismo, que vão de boicotes até  resgates secretos de animais. Dentro do movimento de libertação animal alguns ativistas invadem propriedades para resgatar animais ou causam danos às indústrias para enfraquecê-las economicamente.

  • bem comum

Como fim a pacificação total de uma sociedade onde não há predominância hierárquica com opressões. Refere-se também a ações, medidas ou conjunto de regras que visam trazer benefício mútuo atingindo o máximo ou todos indivíduos, ou seja, que contribuem para o bem-estar coletivo.

  • bioética (bioethics)

Disciplina de ética aplicada que depende substancialmente das descobertas das ciências da vida, ou seja, propõe-se a analisar problemas, estudar o campo da moralidade e implicações éticas a partir de novos dados que decorrem das ciências naturais, estando preocupada na conduta humana e em sua responsabilidade moral em relação ao mundo natural em pesquisas e aplicações. A bioética é um campo interdisciplinar e multidisciplinar que trata de assuntos como o aborto, a clonagem, o xenotransplante, tecnologia de genes, experimentação científica, o status moral dos animais e status moral do meio-ambiente, entre outros. O termo bioética é usado genericamente para se referir a três subdisciplinas: ética médica, ética animal e ética ambiental.

  • boicote

Boicote é o ato voluntário de se abster do contato, uso ou compra de algum produto ou organização por razão social ou política. Recusar-se como expressão de protesto.

  • comoditização ou comodificação (commodification)

O termo diz respeito à quando algo que previamente não tinha interesse de mercado e foi atribuído um valor, passando a ser comercializado. O veganismo vem sofrendo um processo de comoditização quando empresas e indústrias não-interessadas no veganismo passam a se apropriar e vender produtos chamados veganos não interessados na disseminação da filosofia do veganismo e sim do lucro. É sinônimo de mercantilização.

  • compaixão (compassion)

Ato de ter piedade. Sentimento de recusa ao sofrimento alheio e de ternura para com o sofredor.

  • condicionamento social

É o padrão de comportamento de um indivíduo que foi modelado ou influenciado através de seus grupos sociais, como por exemplo sua família, amigos, mídia, escola, emprego. Esta concepção demonstra que a maneira como um indivíduo é educado por suas influencias externas também são responsáveis por definir a sua personalidade e comportamentos.

  • consumo

É uma atividade econômica que consiste na aquisição e utilização de bens ou serviços.

  • consumo consciente

É a atitude de ter consciência daquilo que se consome e das consequências provindas disso e buscar consumir de forma sustentável, com respeito aos outros e a natureza, gerando pouco impacto, nenhum ou mesmo impacto positivo. Ponderar o consumo para evitar exploração e destruição desnecessária. O consumo consciente pode servir tanto para atender as demandas do capital (ver lei da demanda e oferta), instrumentalizando palavras como sustentabilidade e ideologias como o veganismo, quanto as reais necessidades do planeta e das sociedades.

  • creofagia ou creofagismo

Ato ou hábito de se alimentar de carne.

  • creofilia

Apreço pela alimentação de carne. Preferência do consumo de carne a outros alimentos.

  • crueldade

Aquilo que causa dor e sofrimento que pode ser evitado. Prazer em fazer o mal. Insensibilidade ao sofrimento alheio.

  • damacenos

Pessoas que despertam sua consciência animal facilmente. Essas pessoas vivem de forma especista até que tendo contato com algum conteúdo sobre exploração animal param de compactuar com a práticas. O conceito inventado pelo filósofo Tom Regan inspirado por Saulo de Tarso, que após ter uma visão de Jesus, converteu-se ao cristianismo que ele combatia.

  • dever

Algo que pode ser exigido de alguém, mesmo que não venha a ser cumprido. Deveres para alguma legislação é aquilo que os seus cidadãos devem cumprir, o não cumprimento acarreta em punição, tudo aquilo que não é lei reserva-se ao bom senso, não aos deveres. Em filosofia, há uma distinção entre deveres, no qual há deveres negativos e deveres positivos, esta categorização foi proposta pelo filósofo moral utilitarista John Stuart Mill.

  • deveres negativos

Também chamado de deveres perfeitos,

A distinção entre deveres negativos e positivos foi proposta pelo filósofo moral utilitarista John Stuart Mill.

  • deveres positivos

Também chamado de deveres imperfeitos, é tudo aquilo que desejaríamos que fosse feito, mas não gera obrigação moral em um agente moral, como é o caso do altruísmo, da caridade e da benevolência. Violar os deveres positivos não acarreta em punição, pois não é uma obrigação plena que as pessoas ajudem umas as outras.

  • direito

Direito pode referir-se a ação de proteção de interesses (ver direitos), ou ao campo que estabelece/ensina a aplicação das normas jurídicas vigentes em um país ou região. O direito tem diversas disciplinas específicas onde cada qual estuda a aplicação das normas e da punição sobre a não aplicação delas, alguns campos do Direito são Internacional, Constitucional, Civil, Comercial, Penal, Processual, Administrativo, Tributário, Ambiental, do Trabalho, Autoral, Animal, entre outros.

  • direito absoluto
  • direito fundamentais
  • direito negativo
  • direito relativos (limitados)
  • direito positivo
  • direitos

Conjunto de regras que regulam as relações entre indivíduos em uma sociedade. Proteção de interesses por meio do Estado ou instituição que controla alguma sociedade. Regras que visam estabelecer os limites da liberdade de ação entre indivíduos visando a harmonia social entre eles. Aquilo que pode ser requerido conforme as as leis. Direitos geralmente são inter-relacionados, isto é, a violação deles geralmente acabam afetando o respeito por muitos outros.

  • direitos humanos

Trata-se de direitos que estabelecem os direitos básicos, que são inerentes, à todos os seres humanos, nisto inclue-se à vida, à dignidade, ao bem-estar, à privacidade, à liberdade de locomoção, à liberdade de crença, pensamento, consciência e religião, à liberdade de expressão e opinião, à liberdade de reunião e associação pacífica, à asilo diante de perseguição, à proteção familiar, à propriedade, à presunção de inocência, à segurança social, ao trabalho e à livre escolha de emprego, ao repouso e lazer, à educação básica e fundamental, entre outros direitos. Os Direitos Humanos são fundados sobre o respeito pela dignidade e o valor de cada ser humano e visam ser aplicados de forma igual e sem discriminação à todas elas, são portanto, direitos internacionalistas, universais e inalienáveis, podendo ser restringidos apenas em situações específicas, como é o caso de privação de liberdade como pena por um ato criminoso estabelecido por um Estado.

  • direitos não-revogáveis (non-derogables rights)
  • dissonância cognitiva
  • ecologia
  • economia de exploração animal (economics of animal exploitation)
  • elitismo
  • empatia
  • empatia (empathy)
  • ética
  • ética do cuidado
  • escravidão animal
  • especismo (speciesism)
  • especismo religioso
  • esquizofrenia moral (moral schizophrenia)
  • expansão da consciência moral
  • exploração animal
  • exploração animal (animal exploitation)
  • extremismo
  • falácia
  • holocausto animal
  • imparcialidade
  • incremental welfare improvements
  • integridade física (bodily integrity)
  • integridade psicológica (psique integrity)
  • interesse (interest)
  • justiça
  • legalidade
  • legítima defesa (auto-defesa)
  • liberdade
  • libertação animal (animal liberation)
  • livre de carne (meat free)
  • livre de crueldade (Cruelty Free)
  • livre-arbítrio
  • lobismo ou lóbi (lobbying ou lobby)
  • lógica
  • manipulação midiática
  • massacre
  • medo verde (green scare)
  • militância
  • minoria
  • misticismo
  • movimento social (social movement)
  • mudança de paradigma
  • necessidade (necessity)
  • não-violência (non violence)
  • opressão
  • oxímoro (oxymoron)
  • paladar infantil

 

Refere-se à um paladar que necessita de alimentos muito doces ou salgados para sentir sabor e agradar.

  • paradigma
  • persuasão
  • pessoalidade
  • preconceito
  • princípio de igual consideração de interesses semelhantes
  • princípios abolicionistas (abolitionist principles)
  • progresso moral
  • progresso social
  • proselitismo
  • pseudovegano*
  • relativismo moral (moral relativism)
  • resgate aberto (open rescue)
  • respeito
  • segunda sem carne
  • single issue campaigns (campanhas de um só tema)
  • sofrimento desnecessário
  • status quo
  • subsistência
  • sujeitos de uma vida
  • sustentabilidade
  • trade-off
  • transição
  • valor inerente / valor intrínseco (Intrinsic value / Inherent value)
  • vegan trash
  • vegano
  • vegano acidental
  • vegano intencional
  • vegetariano
  • vinciano
  • xenoespecismo
  • zona de conforto
  • ética (ethics)
  • ética animal (animal ethics)
  • ética do cuidado
  • ética prática

 

Termos Científicos

  • cognição
  • instinto (instinct ou instintive behavior)
  • zoonose (zoonosis)
  • animal
  • animal não-humano
  • animal social
  • auto-consciência
  • bem-estar
  • cO2
  • ciclo menstrual (ciclo estral ou estrus)
  • compartimentalização (compartmentalization)
  • comportamento
  • consciência
  • consentimento
  • dieta
  • dor
  • espécie
  • etologia
  • evolução
  • habitat natural
  • homeopatia
  • humano
  • indivíduo
  • metano
  • nocicepção
  • personalidade
  • pseudociência
  • racionalidade
  • sapiência
  • senciência
  • ser senciente
  • ser vivo
  • simbiose (mutualismo?)
  • sistema nervoso
  • sistema nervosocentral
  • social
  • sociedade
  • subjetividade
  • vegetais
  • veterinária
  • zoologia
  • zoosadismo (zoosadism)

Termos Religiosos

  • adventismo
  • ayurveda
  • budismo
  • cristianismo
  • espiritismo
  • hare krishna
  • hinduísmo
  • hippie
  • judaísmo
  • mito de criação
  • nova era
  • yoga
  • zen

*termos inventados pelo autor do glossário Julio Cesar Prava

 

Anúncios