A parte mais difícil de ser vegano

Para qualquer um que ainda não é vegano, pode parecer um estilo de vida inalcançável. Fomos criados para comer animais e a quase todos nós tornamo-nos viciados no gosto deles. Quando uma ação é repetidamente normalizada, pode parecer impossível mudar para outra coisa. Mas ser vegano, em si, é fácil.

Veganismo é apenas não exploração e não consumo de animais. Após algumas semanas experimentando novas comidas, novos produtos, novos hábitos, ele se torna fácil. Nós adquirimos novos gostos e receitas que nunca tentamos, encontramos versões veganas de nossas refeições favoritas. E, na maior parte das vezes, valorizamos mais nutrição alimentar e a adoramos mais do que antes.

A verdadeira dificuldade em ser vegano não envolve comida. A parte mais difícil de ser vegano é é dar de cara com um lado mais sombrio da humanidade e tentar permanecer esperançoso. É tentar entender por que pessoas boas, sábias e carinhosas continuam a participar em violência desnecessária contra os animais apenas em razão de seu prazer ou conveniência.

Quando você encontra o veganismo pela primeira vez, você tem que lidar com o fato de que mentiram pra você por toda a vida. Tem que aceitar que, enquanto crescia, as pessoas em quem você imaginava poder confiar roubaram sua compaixão e lhe ensinaram que que não havia problemas em machucar os outros. Eles corromperam sua mente sem você notar e deram justificativas para fazerem-no parar de pensar sobre isso

Você tem que se dar conta de que os anúncios que faziam-no rir eram apenas para te enganar e fazerem-no dar dinheiro por produtos que o deixam doente e que destroem o planeta. Você tem que lidar com o fato de que usam desenhos animados e slogans felizes para venderem animais torturados e abatidos. E você caiu nessa.

Quando você começa a se dar conta disso tudo você acha que descobriu um segredo que o mundo precisa conhecer. Então você faz tudo o que pode para compartilhar a verdade Você fala com todo mundo sobre o veganismo, na esperança de que compreendam e mudem, como você fez quando fez a conexão. Mas eles não fazem. Eles te dão desculpas que não fazem sentido, recusam-se a ouvir pra não te darem razão.

Você se surpreende com sua família e melhores amigos defendendo o abuso animal porque eles estão muito assustados para mudar. E você não sabe como reagir à sua indiferença. Está tentando ajudá-los e a nos ajudar, como animais, mas eles o acusam de atacá-los, e ficam na defensiva a cada vez que fala sobre veganismo. Você tem brigas e começa a perder o respeito por aqueles que você mais ama. E você fica isolado.

Você não consegue parar de pensar nas imagens de animais sendo mortos para serem sistematicamente esquartejados. Sente-se tão sem forças, que só queria que as pessoas te ouvissem. Ao mesmo tempo, as pessoas ao seu redor começam a tirar sarro de você por ser diferente. Eles fazem piadas insensíveis e você faz seu melhor para ver o lado engraçado do que falam. E você vai pra casa e percebe que riam do abuso animal como algo aceitável.

Dizem que conhecimento é agridoce, porque de um lado é maravilhoso saber a verdade, viver a verdade e compartilhar a verdade. Por outro lado, é enlouquecedor perceber como nossa espécie pode ser cruel e ignorante. Mas isso não é motivo para nos coibir de fazer o que é certo. Em toda a história, aqueles no lado certo, da justiça, sempre encontraram resistência. Mas sempre valeu a pena.

Por isso a parte mais difícil de ser vegano é também a parte mais recompensadora. Por mais tempo que você seja vegano, você encontra formas melhores de explicá-lo e, cedo ou tarde, alguém vai escutá-lo. E mais pessoas estarão abertas a escutar o que você tem a dizer. E aqueles que você nem imaginava sensibilizar agradecerão por mudar suas vidas. As sementes que você plantou no começo começarão a crescer e você entenderá a importância da paciência e persistência.

Você encontra outros veganos e aprende a amar a humanidade novamente. Você se dá conta de que há boas pessoas por aí. E nesse processo de entrega você deixa tantas pessoas lindas entrarem na sua vida que compartilham mais o que têm em comum. Por mais difícil que pareça seguir adiante do passado, você fica mais feliz na caminhada. E isso te dá motivos pra sair todos os dias. Não é mais a apenas sobre você.

Veganismo ensina a pensar além de nós mesmo e a pensar em outros. Pelo seu ativismo, você aprende a jamais pedir desculpas por falar. É seu direito e você sabe disso. Você tem que falar! Mesmo que seja uma pessoa contra o mundo todo a verdade ainda é a verdade. Expor as mentiras e injustiças torna-se seu objetivo, seu propósito. Transforma-se em uma versão tão brilhante de si mesmo que inspirará as pessoas ao seu redor sem sequer tentar. Inspira compaixão através de seu destemor e de sua paixão descompromissada em deixar o mundo menos egoísta. E a melhor lição que você aprenderá é que a vida não é sobre sentir-se maravilhoso o tempo todo. É sobre aceitar a dor e o medo. E fazer algo mesmo assim. Não porque você quer. Mas porque você tem que fazer.

Há tanta maldade nesse mundo. Mas isso não deve nos deixar tristes. Deve nos deixar desesperados para ajudar.”- Porque isso não é uma escolha de dieta mundana. É a diferença entre escravização e liberdade. Entre tortura e paz. Entre morte e vida. Isso é sério. E vocês entendem. E vocês são parte dessa revolução.” – As pessoas que pensam que veganismo é difícil, estão pensando em si mesmas. E as pessoas que pensam que veganismo é fácil estão pensando nos animais. Então, se você acha difícil não comer carne, pensem em quanto é difícil, pra eles, você comer!


Texto de autoria do ativista Michael Goodchild, publicado em setembro de 2016, originalmente em https://www.youtube.com/watch?v=uGwBe3N2E_Y. Tradução do original por Projeto Vegeteca.

Anúncios