50 ativistas veganas, negras e brasileiras para seguir no instagram


O dia da Consciência Negra é uma data brasileira para homenagear o povo negro, sua incrível história e seus feitos que são apagados pela cultura eurocêntrica, algo que também acaba acontecendo no movimento vegano.

É muito comum que o veganismo seja visto como um movimento feito e liderado por brancos. Apesar disso, há muitos ativistas negros que estão construindo o movimento pela libertação dos animais.

No cenário internacional há diversas pessoas se mobilizando para mostrar a conexão entre a luta pela libertação dos negros à luta pela libertação animal e aqui no Brasil não é diferente. Vale notar que quem protagoniza o veganismo negro são as mulheres! (por isso o título feminino).

Confira abaixo uma lista com 50 perfis de ativistas negras(os) que representam o veganismo no Brasil para seguir no instagram!

1. Nátaly Neri

View this post on Instagram

🥦feliz veganiversário pra mim 🥦 dezembro é o mês em que deixei de comer carne e agora completo 4 anos! 4 anos desde que tomei a melhor decisão pra minha vida, pros animais e pro meio ambiente! Esse mês não é só meu quarto aniversário no vegetarianismo, é um mês ainda mais especial porque também completo um ano desde que decidi sair da minha zona de conforto, cortar também ovo e leite e iniciar uma caminhada rumo ao veganismo! Fim de ano geralmente me enche de energia de mudança e transformação, uma necessidade de limpeza e desintoxicação de coisas que não me servem mais, de coisas ruins pra mim e pro mundo quando falo sobre carne. Eu não tenho um dia específico nesse mês de aniversário porque foi um processo anterior de redução até chegar dias antes da ceia e ver o investimento da minha família em peru, chester e coisas que nem havia tanto dinheiro pra comprar. Negar o massacre animal que são as festas de fim de ano e me forçar a cortar de vez a dependência emocional que eu tinha de carne foi o que fez dezembro ser o momento em que coloquei um ponto final no meu antigo carnismo. Passar a ceia comendo arroz,feijão, lentilha e vinagrete fez meu primeiro natal sem carne ser o melhor de todos. Se tem vontade, se pensa sobre isso, esse é o momento. Começa seu 2019 limpo, sem sangue ou pedaços animais entre seus dentes e no seu corpo. Vamos fazer aniversário juntos 💚🥦

A post shared by Nátaly Neri (@natalyneri) on

2. Mari Morena

3. Áurea Carolina

View this post on Instagram

MAR DE LAMA NUNCA MAIS Ontem, no marco dos quatro anos do crime da Samarco/BHP/Vale em Mariana, aprovamos na Câmara dos Deputados o relatório final da CPI sobre o crime da Vale em Brumadinho, com o indiciamento direto com dolo da Vale e da Tüv Süd, que emitiu o laudo de estabilidade da barragem da mina Córrego do Feijão. Também foram indiciadas 22 pessoas responsáveis por essa tragédia criminosa. Esse é um marco importante na luta por justiça aos atingidos: apresenta uma resposta do Parlamento brasileiro ao clamor popular e contribui com as investigações da força-tarefa do MPMG que está responsável pelas investigações. Com o apoio precioso da consultoria da Casa, fizemos um estudo detalhado demonstrando como a Vale a Tüv Süd conheciam de fato os riscos que a barragem apresentava e mesmo assim levaram adiante as atividades minerárias. Essa negligência criminosa resultou em 272 mortes. Entre elas estão dois nascituros de mães mortas na tragédia, Lorenzo e Maria Elisa, que a Vale não tem levado em conta no processo de reparação e indenização às vítimas. Fomos honrados com a presença de membros da Avabrum – Associação dos Familiares de Vítimas e Atingidos do Rompimento da Barragem Mina Córrego do Feijão de Brumadinho, que destacaram como essa dor irreparável precisa continuar a mover a luta por justiça. Eles trouxeram ao plenário da Comissão uma foto de cada uma das 272 vítimas. As tragédias criminosas em Mariana e Brumadinho não foram acidentes. O rompimento de barragens em nosso estado é consequência de um modelo predatório de mineração que destrói o meio ambiente e coloca o lucro acima de vidas. Seguimos incansáveis no enfrentamento à mineração predatória. Mar de lama nunca mais! #NãoFoiAcidente #MarDeLamaNuncaMais Fotos: @midianinja

A post shared by Áurea Carolina (@aureacarolina) on

4. Camila Botelho

View this post on Instagram

Veganismo negro, isso existe? Bom, não gosto de rótulos e não estou aqui para criar nomenclaturas, já falei um pouco sobre isto e venho trazer mais reflexões. A questão é 54% da população brasileira se considera negra, e em sua maioria são menos abastados, por isto, com uma condição da qual acredita não poder ser vegano. Porque? Mídias embranquecem o veganismo e mostra como uma dieta da moda. Pelo contrário, veganismo e saúde, descolonização de corpos é política e muito acessível. O que falta para muitos é serem informados disto. Agora, porque não vemos negros veganos? Além de informação que não chega nas periferias, falta empatia com a causa. Porque? Não nos sentimos representados e vemos como um movimento elitizado e embranquecido. Vemos alguns comparando a causa com a escravidão, uma comparação compreensível ao meu ponto de vista quando me coloco no lugar do outro, mas também gostaria que se colocassem em nosso lugar. Esta comparação faz com que perdemos a empatia pela causa! Se você quer que mais pessoas se tornem veganas independente de raça precisa entender que para um carnista negro, com uma história onde seus antepassados foram tratados como animais, para ela esta comparação é um desrespeito a sua cultura e história. (Eu sei que o seu intuito não é este) Não queremos perder nossas raízes e histórias gastronômicas, então precisamos trazer mais amor e tentar mostrar que não precisamos perder nossas raízes e culturas para isto. Vou parar por aqui, quero saber a opinião de vocês! E aí, oque você pensa? #negrosvegano #veganismonegro #chefcabotelho #plantbased #alimentacaonatural #svbreceitas

A post shared by C a m i l a B o t e l h o (@chefcabotelho) on

5. Samanta Luz

6. Leyllah Diva

7. Maria

8. Carla Candace

9 . Luciene Santos

View this post on Instagram

Resumidamente, me tornei vegana após assistir um vídeo sobre abate de animais, não passei pelo processo de transição. Após assistir esse vídeo e alguns outros, me livrei de todos os alimentos de origem animal e derivados que tinha em casa e quanto ao restante fui me informando e me adaptando. Entrei em boa parte dos grupos veganos e vegetarianos do facebook e fui me informando por lá e com pesquisas no Google. Só que não sou "apenas" uma pessoa vegana, também sou uma pessoa negra que vive numa sociedade racista em que muitos brancos são racistas o tempo todo, querendo ou não, percebendo ou não. Com o tempo acompanhei nesses grupos debates sobre religiões de matriz africana que, muitas vezes, por parte de alguns integrantes, estava mais para destilação de racismo e intolerância religiosa do que debates de fato. Então senti a necessidade de encontrar pessoas como eu, veganos pretos. Felizmente os encontrei. Hoje a maioria dos veganos que acompanho aqui nas redes são pretos e/ou de periferia. Ser uma pessoa negra dentro do movimento vegano me ensinou que não preciso me desgastar em debates sobre religiões de matriz africana com pessoas que são visivelmente racistas, que acham que umbanda e candomblé matam cachorros e gatos e os jogam nas encruzilhadas. Me ensinou que muitas pessoas como eu querem parar de colaborar com a exploração animal e destruição do planeta e que elas precisam que eu, assim como os veganos pretos fizeram comigo, mostre que não é preciso ter a vida do vegano rico e branco para ser vegano. Me ensinou que diferente do que eu falava quando comia carne, "meus ancestrais não inventaram a caça para eu comer alface", os meus ancestrais na verdade cuidavam da terra e dela tiravam seus alimentos, tinham dietas em que as plantas eram uma parte essencial. Me mostrou que se eu quero ensinar que o veganismo pode ser acessível e é uma forma de lutar contra o sistema não posso ensiná-lo da mesma maneira para pessoas que vivem realidades muito diferentes. Que os devidos recortes precisam ser feitos em respeito à história das pessoas e de seus ancestrais. (Continuação nos comentários)

A post shared by Luciene Santos (@sapavegana) on

10. Caroline Silva

11. Nataly Silva

12. Thallita Flor

13. Anne Caroline Quiangala CONFIRMAR

14. Aline Carvalho

15. Paula Aparecida

16. Dai Lima

View this post on Instagram

Vc conhece o movimento Afro vegano? O "african vegan movement" Até pouco tempo eu também não conhecia, mas depois de diferentes pesquisas na internet eu descobri uma galera que assim como eu é militante nesta causa. Muitas pessoas desinformadas saem por aí propagando que o veganismo é um movimento elitista e de pessoas brancas, foi apartir dessa provocação que a escritora norte americana APH kO, que é também teórica negra,produtora independente de mídia digital e co-autora do livro Aphro-ism: Ensaios sobre Cultura Pop, Feminismo e Veganismo Negro de Duas Irmãs, resolveu desmitificar esse engodo e criou uma lista com 100 personalidades negras veganas onde encontraremos por exemplos figuras influentes como: Ângela Davis e e as irmãs Vênus e serena Williams. Em decorrência da lista, a ativista decidiu ampliar a proposta e criou o site @black_vegans_rock que reúne diferentes personalidades negras, ativistas de variadas áreas e formação, como:nutricionistas, médicos, economistas, artistas, estudantes etc. Agora tenho a honra de poder fazer parte desse time e engrossar o caldo do movimento afro vegano. Movimento este, composto por pessoas que,como eu, acreditam que a revolução precisa ser sistêmica e englobar todas as partes do conjunto. Deixo aqui o repost da postagem do perfil, com link para o site, em que podem encontrar o relato da minha jornada vegana. O veganismo é muito mais simples do que você pode imaginar, um modo de vida onde ninguém precisa morrer nem ser explorado para vc continuar vivendo. A sustentabilidade do planeta está em jogo. Sua vida e de outras gerações.Um relatório recente da ONU, afirmou que para essa sustentabilidade toda dieta precisa ser vegana até 2035 Antes de criticar indistintamente é necessário estudar e entender pelo que estamos lutando. O censo comum não pode ser o parâmetro para formulação do argumento. #Repost @black_vegans_rock with @instatoolsa Today's featured black vegan: Daiana Lima (@daianalima7) http://www.blackvegansrock.com/blog/2018/4/25/feature-daiana-lima #blackvegan #blackvegansofig #blackvegansrock #pretaveg #blackvegan #womanblackvegan #naturalfood #comidadeverdade #alimentosnaturais #animalslove

A post shared by Dai Lima – preta veg (@pretaveg) on

17. Rebeca Moraes

18. Amanda Tavares

19. Márcia Cris

20. Carla Brum

21. Dandara Luigi

22. Giovanna Ribeiro

23. Carol Reis

24. Raquel Sabino

25. Graziela Lotti

26@leilahmorenoLeilah Moreno
27@ellenoleriaEllen Oléria
28@gaby_na_cozinhaGabriela Gabriel
29@moniquefbrandaoMonique Brandão
30@manufrugiManu
31@caruruverdeDay Pedrosa
32@periferia.preta.vegana
33@pitchouluamboPitchou Luambo
34@mdafneeMaria Dafne
35@preta_veganaRafaela Seabra
36@izapaixaoIza Paixão
37@brudrumondBruna Drumond
38@buda_pesteeAna Fletcher
39@ester_psiEster Horta de Paula
40@isahortencioIsa Hortencio
41@renatasbalbinoRenata Balbino
42@pavaoveganoEderson Cruz
43@edwardo_moreiraEdwardo Moreira
44@araci_santosAraci Santos
45@elenmarttinsElen Martins
46@nandafersouFernanda
47@ssantos_maMarina Silva
48@veganeafinsSuellen Leal
49@porque_sou_veganaViviane Amaral
50@entaoveganaLayala Nogueira

Faltou alguém na lista? Deixe a sugestão nos comentários!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s