Gary Steiner

Gary Steiner (22 de agosto de 1956) é um filósofo americano especialista em filosofia moral e filosofia política. É professor de filosofia na Universidade de Bucknell, situada na Pensilvânia (EUA). Suas especialidades são os Direitos Animais, Descartes e a Filosofia Continental dos séculos XIX e XX. Ele tem 4 livros publicados, sendo 3 deles sobre a temática animalista, e mais de 30 artigos acadêmicos com diversos temas.

Formou-se bacharel (B.A) em Economia, U.C.L.A., em 1977. Santa Clara University School of Law, 77-78 . Formou-se bacharel (B.A.) em Filosofia na Universidade da California, 1981. Obteve seu doutorado (Ph.D.) em Filosofia na Universidade de Yale, 1992, sua dissertação teve o tema The Idea of a Ground for Ethical Commitment in Descartes and Heidegger (A Ideia de Um Fundamento Para o Compromisso Ético em Descartes e Heidegger).

O pensamento de Gary Steiner se opõe a tradição filosófica ocidental que argumenta que os humanos são superiores cognitivamente e que isto implica em superioridade moral, seu trabalho sobre animais, argumenta que capacidades como razão e linguagem são irrelevantes para considerações de status moral.

Em seu primeiro livro, Descartes as a Moral Thinker: Christianity, Technology, Nihilism (Descartes Como um Pensador Moral: Cristianismo, Tecnologia, Niilismo), de 2004, ele examina a tensão entre fé e razão em Descartes e argumenta que apenas a razão é insuficiente para fundamentar os compromissos éticos. Em seus livros sobre animais, aplica essa percepção para argumentar sobre a necessidade de reconhecer a animalidade fundamental dos seres humanos e nosso parentesco com animais não-humanos.

Em seu livro Anthropocentrism and Its Discontents: The Moral Status of Animals in the History of Western Philosophy (Antropocentrismo e Seus Descontentes: O Status Moral dos Animais na História da Filosofia Ocidental), 2005, Steiner faz um exame abrangente de visões de animais na história da filosofia ocidental, desde a Grécia homérica até o século XX, além disso, esboça os termos dos atuais debates sobre animais e os relaciona com seus antecedentes históricos, enfocando tanto as vozes antropocêntricas dominantes quanto aquelas vozes recorrentes que, ao contrário, afirmam uma relação fundamental de parentesco entre seres humanos e animais.

Em Animals and the Moral Community: Mental Life, Moral Status, and Kinship (Animais e a Comunidade Moral: Vida Mental, Status Moral e Parentesco), de 2008, steiner argumenta que os etologistas e filósofos nas tradições analíticas e continentais falharam largamente em avançar uma explicação adequada do comportamento animal. Engajando criticamente os cargos de Marc Hauser, Daniel Dennett, Donald Davidson, John Searle, Martin Heidegger e Hans-Georg Gadamer, entre outros, Steiner mostra como a tradição filosófica ocidental forçou os animais em categorias experimentais humanas, a fim de dar sentido a suas habilidades cognitivas e status moral e quão desesperadamente precisamos de uma nova abordagem para os Direitos Animais. Steiner rejeita a suposição tradicional de que a falta de racionalidade formal confere um status moral inferior aos animais em relação aos seres humanos. Em vez disso, ele oferece uma visão associacionista da cognição animal em que os animais se agarram e se adaptam a seus ambientes sem empregar conceitos ou intencionalidade. Steiner desafia a suposição padrão do individualismo liberal de acordo com a qual os humanos não têm obrigações de justiça para com os animais.

Já em um de seus últimos trabalhos, o livro intitulado Animals and the Limits of Postmodernism (Animais e os Limites do Pós-modernismo), de 2013, ele examina os limites das abordagens pós-modernas (particularmente as de Derrida) e demonstra a incapacidade do pós-modernismo de produzir princípios éticos e políticos viáveis, pois a ética exige noções de ego, agência e valor que não estão disponíveis no pensamento dos pós-modernistas. Assim, muito do que é publicado sob a rubrica da teoria pós-moderna não possui uma base adequada para um envolvimento sistemático com a ética. Com o esforço de reconhecer o status moral dos animais, e defende o veganismo como um imperativo ético estrito.


Traduzido da página do autor na Universidade de Bucknell: http://www.facstaff.bucknell.edu/gsteiner/ e também das descrições de seus livros na Amazon: https://www.amazon.com/Gary-Steiner/e/B001JS2CM6/


vegpedia / wikipedia / site / facebook / instagram / entrevista

Anúncios