O veganismo não precisa custar caro: ativistas divulgam o veganismo acessível e popular


Existe veganismo para ricos e para classe média? Existe. Mas também existe o veganismo acessível, para quem só pode – ou deseja – gastar pouco

Com risco de um colapso ambiental e diante da exigência de um tratamento ético com os animais, o mundo têm cada vez mais visto o debate sobre a mudança dos hábitos de consumo. Por causa do grande impacto da exploração animal a Greenpeace e a WWF, as maiores ONGs ambientalistas do mundo, têm ressaltado a necessidade da mudança no sistema alimentar e a redução do consumo de produtos de origem animal, algo endossado também pela ONU e pelo FMI.

O modo de vida no qual as pessoas evitam produtos vindos da exploração animal têm crescido bastante, no Brasil o vegetarianismo cresceu 6% nos últimos 6 anos, atingindo cerca de 30 milhões de habitantes. A mudança também se reflete nas empresas e em seus produtos, restaurantes tem colocado em seus cardápios opções veganas e produtos industrializados veganos tem brotado nas prateleiras dos mercados, por isso é uma tendência que os fabricantes tornem eles cada vez mais acessíveis.

Muitas foodtechs começaram a investir nas sustentáveis ‘proteínas alternativas’ e crescem rapidamente como é o caso das famosas Impossible Foods, Beyond Meat e Memphis Meats nos EUA e no Brasil da Futuro Burguer e da Behind the Foods. Para não ficarem para trás, grandes empresas baseadas na pecuária começaram a mudar e também a oferecer produtos à base de plantas, como Mc Donald’s, Burguer King, Tyson Foods, JBS e Marfrig. Além disso, diversas pesquisas mostram que produtos alternativos ao uso de animais devem assumir o controle de uma grande fatia do mercado nas próximas décadas.

Já o movimento vegano que luta contra toda exploração animal ainda é uma minoria que atinge a marca de 3% em países como Estados Unidos e Brasil e sofre com muita desinformação e preconceito. Ter essa visão contra à crueldade animal é uma escolha mais ética e ecológica, mas ainda é comum a alegação que isso demanda uma prática difícil e cara. Muitas das empresas que estão entrando no mercado oferecem produtos à base de plantas com certa fetichização que encarece as mercadorias, o que fortalece a perspectiva do veganismo ser como algo inacessível e feito para a elite social.

Apesar dessa visão elitizada do movimento vegano, há quem lute para mostrar que o veganismo não precisa custar caro, que pode ser popular e acessível e que não é preciso apostar em produtos industrializados caros. Os adeptos do veganismo acessível ensinam a comprar – e a fazer – produtos e pratos baratos. Alguns deles inclusive são moradores da periferia e provam que é possível viver o veganismo até mesmo nestes lugares. Esta vertente que visa popularizar ainda mais o veganismo prova que, ao contrário do que muitas pessoas pensam, para ser vegano não é preciso ser rico, nem mesmo de classe média.

O veganismo acessível e popular cada vez mais está sendo atrelado ao consumo de produtos orgânicos, ao apoio dos pequenos produtores e ao consumo de produtos locais para redução do impacto ambiental, apesar disso, estas exigências não são intrinsecamente ligadas ao veganismo, há também os veganos que apostam no pragmatismo e na tecnologia para espalhar o veganismo mundo afora.

Os influenciadores do veganismo acessível

O veganismo acessível evita advogar por industrializados de marcas multinacionais que tenham relação com exploração animal, ele recorre à simplicidade, afinal para ser vegano não é necessário comprar um pote com 250 de maionese à base de plantas que custa 10 reais. Apesar do sabor idêntico ao de origem animal – e ter mérito pelo apelo à memória afetiva – o produto não é barato se comparado ao tradicional ou à uma maionese vegana caseira, além de que ninguém precisa comer produtos industrializados caros para ser vegano.

Nadando contra a corrente das grandes indústrias, os adeptos desta vertente lembram diariamente que a nossa base alimentar não é fundamentada na carne e e que há uma infinidade de opções que podemos encontrar nas feiras ou mesmo nos mercados para montar um prato barato e saudável: verduras, legumes, frutas, feijões, grãos, cereais, sementes, nozes, castanhas, amêndoas, cogumelos. Para nossa sorte, o Brasil é um país tropical e têm muitos destes itens bem baratos. No mundo dos cosméticos – e na moda – não é diferente, é possível comprar produtos acessíveis ou até fazê-los em casa.

São vários os ativistas que advogam pelo veganismo simples e acessível no Brasil e ajudam a desmistificar o assunto, confira abaixo a lista com alguns dos influenciadores:

@veganoperiferico por Leonardo e Eduardo Santos

@thallitaxavier por Thallita Flor

@nyleferrari por Nyle Ferrari

@veganodequebrada

@vegana.bacana por Tayná Mota

@logoeu_veganapobre por Caroline Soares

@vegana.raiz por Carolina

@virandovegana por Bruna Matos

@vegetarianos.online

@sapavegana por Luciene Santos

@comidasaudavelpratodos por Juliana Gomes

@veganismosimples por Lisandra Seberino

@fogaoveg

@adolescentevegana por Maria

@vegana.semgrana por Carla Candace

@samantaluz por Samanta Luz

@perifavegana

O veganismo inacessível

Apesar do veganismo ser acessível há alguns contratempos. Um dos fatores da grande expansão do veganismo recentemente foi a internet, a busca no Google pelo termo aumentou muito nos últimos anos, mas de fato ainda é um privilégio o poder de buscar informação. No Brasil 48 milhões de pessoas nunca ficou online, o equivalente a 23% da população, já no mundo metade das pessoas não têm acesso a web. Isso quer dizer que mesmo o veganismo popular teria que ser feito de forma missionária em outras culturas e lugares sem a internet caso queira vingar, algo inviável, já que o veganismo atinge a marca de 3% da população em países como Estados Unidos e Brasil.

É importante entender que há privilégios até mesmo para a mudança de hábitos. Para que uma pessoa mude suas práticas ela precisa poder pensar nas consequências financeiras e em sua saúde, por isso replanejar o consumo e as refeições para garantir uma vida de qualidade nem sempre é fácil. Em lugares onde há subsistência ou extrema pobreza isso está longe de existir. O veganismo é uma escolha mais ética e na prática pode ser mais barato e bastante saudável, mas levar esta informação ainda é algo difícil e levará algum tempo para ser viável para todos. E apesar de ainda haver muita gente extremamente pobre isso não é uma boa desculpa para não se tornar vegano fora destes lugares, os animais e o planeta agradecem.

1 Comment

  1. Alimentação Animal, esta sim, é muito cara para os animais, porque pagam o preço da própria vida, quando matam eles. Nada que se compare ao custo elevado de uma existência, não importa a espécie, por isso nenhum ser vivo quer morrer. Essa constatação, por si só, já deveria ter tornando o Planeta Vegano, caso humanos fossem os racionais que ainda não são e os superiores que estão, a anos luz, de refletir. No entanto poderíamos, com algum mínimo esforço da vontade, ser menos maus, se alguma empatia básica pela dor do outro nos impedisse de matá-los para comer. Algum sentimento elementar parecido com aquele que tem um pai pelo seu filho ou um avô pelo seu neto, nos poderia situar a nós, humanos, num patamar acima do primitivismo e da barbárie, onde nos achamos, quando, indiferentes e insensíveis ao sofrimento dos animais, não nos importamos em serví-los nas refeições, porque ainda somos maus, apesar do sinal da cruz que norteia nossos passos ou pelo menos deveria.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s