O veganismo não precisa custar caro: ativistas divulgam o veganismo acessível e popular


Existe veganismo para ricos e para classe média? Existe. Mas também existe o veganismo acessível, para quem só pode – ou deseja – gastar pouco

Com risco de um colapso ambiental e diante da exigência de um tratamento ético com os animais, o mundo têm cada vez mais visto o debate sobre a mudança dos hábitos de consumo. Por causa do grande impacto da exploração animal a Greenpeace e a WWF, as maiores ONGs ambientalistas do mundo, têm ressaltado a necessidade da mudança no sistema alimentar e a redução do consumo de produtos de origem animal, algo endossado também pela ONU e pelo FMI.

O modo de vida no qual as pessoas evitam produtos vindos da exploração animal têm crescido bastante, no Brasil o vegetarianismo cresceu 6% nos últimos 6 anos, atingindo cerca de 30 milhões de habitantes. A mudança também se reflete nas empresas e em seus produtos, restaurantes tem colocado em seus cardápios opções veganas e produtos industrializados veganos tem brotado nas prateleiras dos mercados, por isso é uma tendência que os fabricantes tornem eles cada vez mais acessíveis.

Muitas foodtechs começaram a investir nas sustentáveis ‘proteínas alternativas’ e crescem rapidamente como é o caso das famosas Impossible Foods, Beyond Meat e Memphis Meats nos EUA e no Brasil da Futuro Burguer e da Behind the Foods. Para não ficarem para trás, grandes empresas baseadas na pecuária começaram a mudar e também a oferecer produtos à base de plantas, como Mc Donald’s, Burguer King, Tyson Foods, JBS e Marfrig. Além disso, diversas pesquisas mostram que produtos alternativos ao uso de animais devem assumir o controle de uma grande fatia do mercado nas próximas décadas.

Já o movimento vegano que luta contra toda exploração animal ainda é uma minoria que atinge a marca de 3% em países como Estados Unidos e Brasil e sofre com muita desinformação e preconceito. Ter essa visão contra à crueldade animal é uma escolha mais ética e ecológica, mas ainda é comum a alegação que isso demanda uma prática difícil e cara. Muitas das empresas que estão entrando no mercado oferecem produtos à base de plantas com certa fetichização que encarece as mercadorias, o que fortalece a perspectiva do veganismo ser como algo inacessível e feito para a elite social.

Apesar dessa visão elitizada do movimento vegano, há quem lute para mostrar que o veganismo não precisa custar caro, que pode ser popular e acessível e que não é preciso apostar em produtos industrializados caros. Os adeptos do veganismo acessível ensinam a comprar – e a fazer – produtos e pratos baratos. Alguns deles inclusive são moradores da periferia e provam que é possível viver o veganismo até mesmo nestes lugares. Esta vertente que visa popularizar ainda mais o veganismo prova que, ao contrário do que muitas pessoas pensam, para ser vegano não é preciso ser rico, nem mesmo de classe média.

O veganismo acessível e popular cada vez mais está sendo atrelado ao consumo de produtos orgânicos, ao apoio dos pequenos produtores e ao consumo de produtos locais para redução do impacto ambiental, apesar disso, estas exigências não são intrinsecamente ligadas ao veganismo, há também os veganos que apostam no pragmatismo e na tecnologia para espalhar o veganismo mundo afora.

Os influenciadores do veganismo acessível

O veganismo acessível evita advogar por industrializados de marcas multinacionais que tenham relação com exploração animal, ele recorre à simplicidade, afinal para ser vegano não é necessário comprar um pote com 250 de maionese à base de plantas que custa 10 reais. Apesar do sabor idêntico ao de origem animal – e ter mérito pelo apelo à memória afetiva – o produto não é barato se comparado ao tradicional ou à uma maionese vegana caseira, além de que ninguém precisa comer produtos industrializados caros para ser vegano.

Nadando contra a corrente das grandes indústrias, os adeptos desta vertente lembram diariamente que a nossa base alimentar não é fundamentada na carne e e que há uma infinidade de opções que podemos encontrar nas feiras ou mesmo nos mercados para montar um prato barato e saudável: verduras, legumes, frutas, feijões, grãos, cereais, sementes, nozes, castanhas, amêndoas, cogumelos. Para nossa sorte, o Brasil é um país tropical e têm muitos destes itens bem baratos. No mundo dos cosméticos – e na moda – não é diferente, é possível comprar produtos acessíveis ou até fazê-los em casa.

São vários os ativistas que advogam pelo veganismo simples e acessível no Brasil e ajudam a desmistificar o assunto, confira abaixo a lista com alguns dos influenciadores:

@veganoperiferico por Leonardo e Eduardo Santos

@thallitaxavier por Thallita Flor

View this post on Instagram

Essa sou eu de boas no bandejão da faculdade. Vamos falar sobre "fase de transição"? Vamos! A muito tempo escrevi sobre isso no blog e também já fiz um vídeo curto que deve ter se perdido em algum lugar da Internet. Eu já perdi a conta de quantas pessoas chegam até a mim dizendo que querem se tornar veganas, que já excluíram as carnes e que estão tentando excluir o ovo e os laticínios, mas na primeira oportunidade se entope de queijo. É muito triste ouvir de uma pessoa que quer se vegana quando vê um cardápio com opção vegana escolhe a opção que tem queijo. Ou no bandejão da faculdade quando a proteína vegetariana é torta com queijo e creme de leite, coloca no prato mesmo tendo outras coisas pra comer (inclusive a proteína completa que é o arroz e o feijão) e ainda diz que a torta tava uma delícia. Além claro das pessoas que dizem que querem ser veganas, as vezes se consideram vegetarianas, mas comem frango (?) Eu não estou entendendo o compromisso de vocês. Sério. Por que vocês querem ser veganos? É pela saúde? Pela qualidade de vida? Ou porque vocês estão cansados desse sistema que explora animais humanos e não humanos e não querem mais fazer parte dele? Não é só um queijo. É um produto que vem de vacas que estão sendo exploradas até a morte pra produzir leite numa máquina que as suga e as fazem sangrar. Você finge que não tem como escolher quando a opção vegetariana do bandejão é ovo, tendo pra você comer: arroz, feijão, salada, quiabo. .. E as vezes é arroz feijão e salada. NÃO É O FIM DO MUNDO QUANDO VOCÊ NÃO TEM MAIS DE 5 VARIEDADES DE ALIMENTOS NO SEU PRATO. Não será assim todo dia. E só porque conseguimos nos virar também não significa que não podemos lutar para opções melhores. Mas a verdade é que você não está nem aí. Se tiver opções melhores no bandejão, você vai se entupir de queijo e ovo em outro lugar. Você se engana. Você não tenta ser vegano, você finge que tenta ser vegano. Vamos sair da zona de conforto? Vamos parar de compactuar com a crueldade animal?

A post shared by Thallita Flor (@thallitaxavier) on

@nyleferrari por Nyle Ferrari

View this post on Instagram

levanta a mão quem esquece de hidratar o corpo 🙋 eu nunca tive disciplina pra cuidar da minha pele do corpo, no máximo um creminho na perna quando uso vestido / short e olhe lá – isso porque ela é ressecada que até coça. há alguns meses decidi acabar ca palhaçada e aderir aos óleos corporais. eles viraram meus aliados porque ajudam a minha pele ficar macia e protegida por mais tempo sem sofrer com a preguiça de ter que passar mais de uma vez por dia. os óleos ainda têm o benefício extra da ação antioxidante, ou seja, atrasam o envelhecimento de maneira natural . qualquer óleo natural (tome cuidado com os de farmácia, aquilo tem tudo menos óleo vegetal!) serve, mas como esse tem sido um ritual de autocuidado, em que eu tiro um tempo pra me tocar e sentir meu corpo, elegi alguns óleos que além de bons, têm cheirinho gostoso 🌿óleo corporal da Souvie: pra quem já conhece os produtos da marca, o óleo tem o mesmo cheiro incrível da linha Ser+, que mistura baunilha com capim limão. a absorção dele é muito rápida! 🌿óleo corporal de romã da Weleda: rico em vitamina C, o romã tem ação antioxidante muito poderosa. a textura é mais consistente, então uso à noite. o cheirinho é de fruta fresca e ponto pro aplicador que dosa direitinho o produto! 🌿óleo corporal de Lavanda e Gerânio da Bee Basics: tem propriedades calmantes e relaxantes, ajuda muito na reta final do ciclo principalmente por conta do gerânio, bom pra TPM. ❤️ . por último, dica boa: aplica o óleo com a pele ainda úmida pós banho, ajuda na absorção! #oleocorporal #belezanatural #belezaorganica #autocuidado

A post shared by Nyle Ferrari (@nyleferrari) on

@veganodequebrada

@vegana.bacana por Tayná Mota

View this post on Instagram

Fiquei na duvida se postava as marmitas de semana passada porque elas fazem parte de um vídeo que vai pro ar no dia 15, não queria dar spoiler mas no fundo não acho que postar só o almoço de 5 dias vá ter algum impacto negativo então here we go! Alias, alguém chuta qual o tema do vídeo? 😛 Pra quem tá chegando agora: pra ver as marmitas da semana que trouxe pro trabalho nas semanas anteriores é só buscar por #MarmitaBacana aqui no instagram que c acha elas 🙂 – SEG: (Lado esquerdo) molho de tomate caseiro e almôndega de lentilha + (lado direito) espaguete integral TER:(Lado esquerdo) hamburguer de lentilha e burrito com abacate, pico de galo e requeijao de inhame + (lado direito) pão sirio assado, hommus de feijao branco e cenoura em palito QUA: (lado esquerdo) hamburguer de lentilha com hommus de feijao branco + (lado direito) salada de abacate, tomate, pimentão e cebola QUI: :(Lado esquerdo)salada de abacate, tomate, pimentão e cebola com snack de feijao branco assado e apimentado + (lado direito) “nuggets” de feijão branco, requueijão de inhame e pimentão assado e recheado com bolonhesa de lentilha SEX: (lado esquerdo) salada de frutas com abacate, manga, banana e melão + (lado direito) burritos de salada de abacate, hommus de feijao branco e bolonhesa de lentilha – #marmitavegana #marmiteiros #mealprep #fitness #marmitafit #comidasaudavel #veganmealprep #comidadeverdade #govegan #plantbased

A post shared by Tayná Mota (@vegana.bacana) on

@logoeu_veganapobre por Caroline Soares

@vegana.raiz por Carolina

@virandovegana por Bruna Matos

@vegetarianos.online

@sapavegana por Luciene Santos

@comidasaudavelpratodos por Juliana Gomes

View this post on Instagram

FAZER O POSSÍVEL. Jamais imaginei me conectar com tanta gente aqui no Instagram. Tantas mulheres incríveis com sangue nos olhos pra mudar o mundo, famílias animadas pra encaixar novos hábitos na rotina sufocante, homens dispostos a repensar seu lugar na cozinha, jovens se descobrindo ao morarem longe dos pais. _ Quando bate o desânimo, gosto de prestar atenção nessas histórias, me colocar no lugar do outro. E vou começar a usar esse espaço pra contar alguns desses encontros que o Instagram possibilitou. _ Uma moça, que pediu pra não ter o nome citado aqui, me escreveu uma tese de doutorado esses dias. Ela tava super frustrada porque sentia que tava fazendo pouco. E queria saber como podia contribuir mais pra tornar o mundo um lugar um pouco melhor. _ Sua rotina é uma loucura. Ela trabalha o dia todo e usa todo o tempo que sobra pra cuidar da mãe e da tia doentes, que ela sustenta sozinha. _ A única possibilidade de fazer compras é no supermercado, às quintas-feiras, de 21h às 22h. Ou seja, ela não consegue comprar orgânicos, nem de produtores locais, não sabe quem tá produzindo a sua comida e ainda consome muita coisa congelada. _ Plantar alguma coisa não é opção porque em nenhuma parte do apartamento pega sol. E o prédio não tem quintal ou área verde. _ Perguntei como ela se organiza pra cozinhar. E a moça respondeu que passa algumas horas no fogão todos os dias à noite. Faz a janta, deixa o almoço pronto pra mãe e pra tia, e leva marmita pro trabalho. _ Ela ainda me contou que a mãe doente tá cada dia mais exigente pra comer. Não aceita provar coisas diferentes e não pode passar 1 único dia sem feijão com farinha. _ Respondi que não há motivo pra se cobrar ou se culpar. Sustentar uma casa sozinha e cuidar de 2 pessoas doentes aos 26 anos é MUITA COISA. _ E pra mandar um abraço em forma de comida, hoje almocei feijão com farinha pensando nela. _ Às vezes é isso. Nosso ativismo vai estar num prato de feijão com farinha preparado com amor. _ Siga firme e boa semana! _ #comidasaudavelpratodos #comidaécuidado

A post shared by Juliana Gomes (@comidasaudavelpratodos) on

@veganismosimples por Lisandra Seberino

View this post on Instagram

E AS PROTEÍNAS? 🤔 . Quem não come carne já está acostumado a ouvir essa pergunta. Isso acontece pq desde cedo aprendemos que as proteínas vem da carne, então é comum algumas pessoas acharem que se não comermos carne, automaticamente sofreremos com deficiência de proteína. . DICA DA NUTRI: Quando ingerimos proteína, ela não é absorvida inteira. As proteínas são quebradas e absorvidas na forma de aminoácidos. Alguns alimentos vegetais podem apresentar baixos teores de um (ou mais) aminoácidos. A combinação de grupos alimentares diferentes fornece todos os aminoácidos em ótimas quantidades. Por isso é tão importante sabermos combinar os grupos alimentares. . Quer saber mais sobre essas combinações? Esse e muitos outros assuntos sobre a alimentação vegana serão tratados no curso online criado por mim e pela nutri Fernanda Maia ( @_fernandacmaia ). Além disso, daremos dicas para você se organizar no dia a dia e conseguir montar os seus pratos, como se alimentar na rua, como descobrir se os produtos são ou não veganos, como fazer nas festas e reuniões com amigos e familiares… Serão muitas dicas detalhadas que vão tornar o seu dia a dia muito mais fácil!!! . Se ainda não viu, clica no link que tem lá na bio do meu Instagram que ele te encaminha para o site do curso. E se ainda ficar com dúvida sobre o curso, é só me chamar no direct 😉 . E o que tem no meu prato de hoje: . ➡️Feijão preto cozido (com bastante salsinha fresca, adooro!) ➡️Arroz integral cozido e misturado com repolho roxo refogado (temperei o arroz com pimenta calabresa desidratada, manjericão desidratado, páprica defumada, curry e sal, depois de pronto misturei com repolho roxo refogado. Ficou uma delícia!) ➡️Abobrinha italiana fatiada ➡️Cenoura ralada ➡️Couve refogada . E você, já almoçou? O que teve por aí? Conta aí nos comentários! . #easproteinas #proteinasvegetais #gruposalimentares #combinaçaodegruposalimentares #nutriçaovegetariana #nutriçaoeveganismo #todadiasemcarne #almoçovegano #almoçodesabado #pratovegano #comidavegana #comidaveganasimples #comidaveganadodiaadia #veganfood #dicasveganas #govegan #considereoveganismo #sejavegano #pratoveganismosimples

A post shared by 💚🍆🌽🍅🍉💚 | Lisandra Seberino (@veganismo_simples) on

@fogaoveg

@adolescentevegana por Maria

@vegana.semgrana por Carla Candace

View this post on Instagram

Sabe quando você tá com uma vontade enorme de comer algo há dias? Eu só pensava em bolo de limão! E como minha lua em touro não gosta de passar vontade rs, tá aí a receita desse bolo que ficou uma perfeição. BOLO VEGANO DE LIMÃO Ingredientes: 2 xícaras de farinha de trigo 1 xícara de leite de soja (dá pra fazer com água tbm) 1/3 de xícara de suco de limão 1/3 de xícara de açúcar Raspas de 1 limão 1 xícara de óleo 1 colher de chá de bicarbonato de sódio 1 colher de sopa de fermento químico 1 pitada de sal CALDA DE LIMÃO ingredientes: 150 ml de leite de soja 2 colheres de sopa de suco de limão 5 colheres de açúcar 1 colher de café de farinha de trigo ou amido de milho Raspas de limão PREPARO DO BOLO Misture todos os ingredientes secos numa tigela, exceto o fermento. Após bem misturados, acrescente todo os ingredientes líquidos, e mecha até tudo ficar bem homogêneo, por último despeje o fermento, e vá mexendo levemente até incorporar na massa. Leve para uma assadeira untada com óleo e farinha de trigo. Coloque no forno pré aquecido, e deixe assar por aproximadamente 35 minutos, ou até passar no teste do palito. Para fazer a calda, leve todos os ingredientes para o liquidificador, bata até tudo ficar homogêneo. Leve para uma panela, e vá mexendo sempre em fogo baixo, até a mistura desgrudar da panela, o que leva cerca de 5 minutos. . . . . . . . . . . . . . #vidasemcarne #foodvegan #veganismosocial #itacaré #veganasemgrana #baianavegana #vegan #veggie #foodporn #veganismo #vegana #pobreevegana #govegan #vegetariana #veganapobre #bolovegano #vegetarian #almoço #comidavegana #saude #foodporn #sdv #follow #bahia #comidacaseira #govegan #veganas #origemvegetal #crueltyfree #plantbasednutrition #bolodelimaovegano

A post shared by C a r l a C a n d a c e (@vegana.semgrana) on

@samantaluz por Samanta Luz

O veganismo inacessível

Apesar do veganismo ser acessível há alguns contratempos. Um dos fatores da grande expansão do veganismo recentemente foi a internet, a busca no Google pelo termo aumentou muito nos últimos anos, mas de fato ainda é um privilégio o poder de buscar informação. No Brasil 48 milhões de pessoas nunca ficou online, o equivalente a 23% da população, já no mundo metade das pessoas não têm acesso a web. Isso quer dizer que mesmo o veganismo popular teria que ser feito de forma missionária em outras culturas e lugares sem a internet caso queira vingar, algo inviável, já que o veganismo atinge a marca de 3% da população em países como Estados Unidos e Brasil.

É importante entender que há privilégios até mesmo para a mudança de hábitos. Para que uma pessoa mude suas práticas ela precisa poder pensar nas consequências financeiras e em sua saúde, por isso replanejar o consumo e as refeições para garantir uma vida de qualidade nem sempre é fácil. Em lugares onde há subsistência ou extrema pobreza isso está longe de existir. O veganismo é uma escolha mais ética e na prática pode ser mais barato e bastante saudável, mas levar esta informação ainda é algo difícil e levará algum tempo para ser viável para todos. E apesar de ainda haver muita gente extremamente pobre isso não é uma boa desculpa para não se tornar vegano fora destes lugares, os animais e o planeta agradecem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s