Conheça a indústria que pode fazer com que as pessoas deixem de consumir animais


Desde 1970 a ética humana diante dos animais vem sendo debatida por filósofos no meio acadêmico e entre poucos grupos da sociedade. Nos últimos anos, com o advento da internet e o acesso a informação massivo, a questão chegou a muita gente e os animais acabaram ganhando aliados que agora clamam por sua libertação e pelo respeito as suas existências. Tal acontecimento somado a iminente destruição do meio ambiente causada pela pecuária gerou demanda por produtos livres da exploração animal. A pecuária é um péssimo sistema de geração de alimento: os animais são alimentados por anos por vegetais e com altos gastos, danos ambientais e sofrimento desnecessário, e poderiam ter espaço e investimento usado para plantar vegetais que alimentariam uma quantidade muito maior de humanos. Percebendo esta realidade muitas empresas de tecnologia nas áreas da engenharia alimentar e engenharia bioquímica começaram a produzir produtos alimentícios semelhantes aos de origem animal, mas sem precisar da crueldade com os animais e do impacto ambiental que pode levar a humanidade a ruína.

Essas empresas passaram a oferecer alternativas aos produtos de origem animal como maquiagens sem testes em animais, peles e couros sintéticos, carnes e leites vegetais ou feitos a partir de cultura de células. Alguns dos produtos tão parecidos com os de origem animal que nem especialistas podem distingui-los, e isto vai se tornando uma ótima alternativa para ajudar as pessoas resistentes a mudanças a perceberem escolhas mais éticas que causam menos sofrimento, e claro, conseguirem manter suas memórias afetivas.

Além de poupar os animais e estarem redefinido semanticamente alguns conceitos que tínhamos há anos – como é o caso da palavra carne -, a grande sacada deste novo ramo de negócios é romper com a ineficiência prática de criar animais: a produção acaba saindo mais barata por não precisar de grandes áreas, do manejo e cuidado dos animais, por ser livre de antibióticos, além de poluir menos o meio ambiente. Fazendo as contas é óbvio que a tendência é um maior lucro e com isso é bastante possível que forçará empresas que exploram animais a reverem seus negócios, caso não queiram ficar para trás, algo que já começa a acontecer.

O mercado já percebeu a demanda crescente por produtos sem animais e está mudando aos poucos. A empresa Nestle prevê que o comidas à base de plantas vão representar um mercado de 5 bilhões nos Estados Unidos até 2020 e o CEO da Tyson Foods, segunda maior empresa no ramo alimentício do mundo e a maior dos EUA no ramo da carne e que têm começado a investir nesse mercado, acredita que nos próximos 25 anos 20% da carne que teremos vai consistir em carne sem exploração animal. Richard Branson, fundador do gigantesco grupo Virgin, é um grande investidor neste novo mercado e prevê que a nova carne, também conhecida como clean meat (carne limpa), irá substituir completamente a carne tradicional em aproximadamente três décadas. O empresário Bill Gates, fundador da Microsoft, é outro que tem investido muito dinheiro nisto.

Vale lembrar que grandes redes de lanchonetes também estão adicionando produtos vegetarianos e ‘veganos’ em seus cardápios em alguns lugares do mundo, como é o caso do Burguer King, McDonald’s, Domino’s, Starbucks, entre diversas outras, reforçando a necessidade de produtos sem animais. Outra informação animadora é que os leites à base de plantas, como o de soja e de amêndoas, já tem uma fatia de mercado de 10% nos EUA, nos últimos anos o consumo de leite lácteo teve queda de 13% entre 2011 e 2015, já a indústria de leites vegetais cresceu em torno de 1,4 bilhão de dólares. Já as carnes de origem vegetal e  outras carnes limpas ainda estão abaixo de 1%, mas como visto, tem grandes prospecções.

Mesmo sendo só o começo deste mercado promissor já há algumas iniciativas que vem se destacando nesta nova agricultura pós-exploração animal, preparamos então uma lista onde você poderá conferir um pouco sobre elas se sentir mais esperançoso sobre a libertação animal e quem sabe se inspirar a fazer um modelo de negócios destes para ajudar os animais também.

Agricultura celular

Agricultura celular se refere a criação de produtos agrícolas a partir de culturas de células em laboratório. Produtos feitos a partir de culturas de células são exatamente os mesmos que os colhidos de um animal ou de uma planta, ou seja, é possível a partir de pequenas bactérias, micróbios ou leveduras, obter produtos como carne, leite, couro entre muitas outras coisas. Por exemplo, o leite é produzido por vacas em estado de lactação, em vez disso, pode-se fazer exatamente o mesmo leite usando uma cultura que consome açúcares simples para produzir proteínas do leite.

é possível obter leite a partir de duas fontes diferentes: dos animais e da cultura de células

A agricultura celular, permite que hoje se cultive em laboratório insulina, hormônio utilizado principalmente no tratamento de pacientes com diabetes. A substância foi originalmente coletada do pâncreas de porcos e de gado, mas hoje a maioria já deixou de ser produzida desta forma. Esta tecnologia vai além, já está sendo desenvolvido o cultivo de tecidos vivos para vítimas que precisam de transplantes a cultura de células e em breve se permitirá a produção de diversos órgãos com o mesmo fim que não terão rejeição, isto que poupará animais e salvará os humanos. Por fim o couro e carne podem ser também feitos a partir da cultura de células de forma semelhante a construção de órgãos, a diferença é que o “bife” não precisa ser funcional e sim ser ter uma boa textura, cheiro e sabor além do valor nutricional. Vale lembrar que esses exemplos vão além dos produtos de origem animal.

Segundo o instituto New Harvest de pesquisa para avanços na agricultura celular a agricultura celular tem seus benefícios em comparação com os seus produtos homólogos convencionais:

“Os produtos de agricultura celular têm menos impacto ambiental, são mais seguros e mais puros e com um suprimento mais consistente. Isso ocorre porque o produto está sendo produzido em condições seguras, estéreis e controladas. Outro aspecto emocionante da agricultura celular é a capacidade de personalizar e melhorar o que você está fazendo. Por exemplo, você poderia fazer carne com menos gorduras saturadas e mais gorduras insaturadas, ou você poderia fazer couro de diferentes espessuras. Você poderia fazer leite sem lactose, ou ovos sem colesterol.”

À base de plantas

Diversos empreendimentos tem levado a sério a proposta de desenvolver produtos à base de plantas (em inglês plant-based), que são sinônimos de estritamente vegetariano.

o incrível hambúrguer à base de plantas da Impossible Foods

Estes produtos de origem vegetal estão em crescimento por conta de novas filosofias e hábitos de consumo onde se busca reduzir ou eliminar o uso de produtos de origem animal. As motivações que estão criando e fortalecendo esta indústria podem ser diversas e vão desde razões éticas como acabar com a crueldade contra os animais, representada pelo movimento vegano, e pela não destruição do meio-ambiente, até objetivos pessoais como melhorar a saúde por meio da dieta ou com crenças espirituais. Essa nova indústria está ganhando grande relevância no mundo atual e já tem diversos grandes nomes que estão se espalhando por aí ajudando a destruir mitos populares como dizer que as pessoas precisam consumir proteínas de origem animal ou que vegetais não podem ser saborosos. Claro, muitas pessoas de fato não se importam com os animais, mas se elas não mudam por razões éticas, por direitos ou pela destuição ambiental, talvez esta nova ‘culinária’ traga uma alternativa tão saborosa que pode de alguma forma fazê-las repensar seus hábitos.

A vanguarda na indústria

Abaixo você poderá conferir diversas empresas de agricultura celular e que fazem produtos à base de plantas que tem tido grande destaque mundo afora.

> Empresas que fazem agricultura celular

MosaMeat

A MosaMeat é a primeira empresa do mundo a produzir um hambúrguer de carne com base em agricultura celular. O hambúrguer, lançado em 2013, foi montado a partir de 10 mil pequenas tiras de músculo cultivadas individualmente em laboratório tendo diversas aparições na imprensa global com reações majoritariamente positivas. A iniciativa de Mark Post, professor holandês da Universidade de Maastricht, desde então intensificou a fase de pesquisa e anunciou que a partir 2020 colocará o produto no mercado, primeiramente em menus de restaurantes de luxo.

Memphis Meats

Fundada em 2015 a Memphis Meats é uma empresa criada pelo cardiologista Uma Valeti e pelo biólogo Nicholas Genovese que está desenvolvendo carnes de laboratório. Sediada em São Francisco nos EUA a startup anunciou o desenvolvimento de uma almôndega cultivada em 2016, já em 2017 exibiu versões de carne de carne de frango e de pato. No mesmo ano recebeu investimentos de 17 milhões de diversos investidores entre eles Bill Gates e Richard Branson, posteriormente também recebeu aplicações de dinheiro da empresa Tyson Foods. A empresa tem a previsão de lançamento dos produtos para 2021.

Finless Foods

Buscando sanar o problema de exploração animal e destruição ambiental decorrente da pesca industrial a empresa Finless Foods está praticando agricultura celular para criação de carne de peixes, começando por atum. A empresa, fundada por Brian Wyrwas e Michael Selden ambos bioquímicos e biólogos, reduziu os custos de produção em 50% em 2017 e visa igualar o preço de seu atum de rabilho ao tradicional até o fim de 2019.

Modern Meadow

A Modern Meadow é uma empresa que produz couro biofabricado à partir de cultura de células. Sua engenharia celular faz o cultivo de colágeno sem o uso de animais. A vantagem é que dependendo das características desejadas, a empresa projeta o material para entregar as propriedades estruturais e estéticas corretas. Em 2016, a iniciativa conseguiu um aporte financeiro de mais de 40 milhões.

Just

Com sede em São Francisco a Just, anteriormente Hampton Creek, foi fundada em dezembro de 2011 por Josh Balk e Joshua Tetrick. A empresa fabrica maioneses, molhos, biscoitos, massas de biscoito, ovos vegetais, carne cultivada, entre outros. A empresa já recebeu mais de 120 milhões de dólares de diversos investidores, incluindo da Yahoo!, e tem produtos vendidos em mais de 100 mil pontos de distribuição. A empresa patenteou um sistema tecnológico de engenharia alimentar chamado Blackboard que traduz matéria vegetal em dados para poder criar novos produtos. A tecnologia de algoritmos e inteligência artificial mapeia diferentes moléculas e mostra como elas interagem para compreender novos processos químicos e como se comportam como alimentos.

Pembient

O objetivo da empresa fundada por Matthew Markus e George Bonaci é o desenvolvimento de chifre de rinoceronte e marfim de elefante através de bioengenharia, cultura de células e impressão 3D, pretendendo alcançar o preço abaixo do mercado negro destes produtos a fim de parar a ameaça de espécies ameaçadas de extinção. O desenvolvimento sintético do chifre utiliza técnicas que replicam o DNA do rinoceronte.

Outras empresas para ficar de olho

  • Bolt Threads – Empresa que cria fibras e tecidos através de proteínas naturais.
  • Clara Foods Empresa de agricultura celular baseada em San Francisco que produz claras de ovos a partir da cultura de células.
  • SuperMeat – Empresa israelense que está desenvolvendo um produto de carne de frango cultivado “pronto para refeição”.
  • Geltor – Empresa que está criando alimentos e bebidas combinando coisas com biologia sintética.
  • Gingko Bioworks – Empresa que projeta micróbios personalizados para clientes em vários mercados, desenvolvendo novos organismos que substituem a tecnologia pela biologia.
  • Perfect Day Foods – Empresa que fabrica leites livres de exploração animal.
  • SpiberEmpresa que modifica proteínas de seda de aranhas formando materiais de seda.

> Empresas que fazem produtos à base de plantas

Impossible Foods

A Impossible Foods Inc., baseada no vale do silício, vem nos últimos anos desenvolvendo carnes e leites à base de plantas. O seu primeiro grande feito, lançado em 2017, é o Impossible Burguer, hambúrguer vegetariano que ‘sangra’. Isso só foi possível após uma extensa pesquisa em nível molecular sobre produtos de origem animal, que permitiu a descoberta da principal substância que dá sabor à carne, a molécula chamada heme. Esta molécula também está presente em produtos de origem vegetal, o que possibilita a produção de produtos com sabor e cheiro idênticos ao de carnes, mas com o benefício de causar menos impacto. A empresa está em plano de expansão para todos os estados dos EUA e também para outros países, com isso o CEO e fundador da empresa, Pat Brown, pretende acabar com o uso de animais na produção de alimentos até 2035.

Beyond Meat

A Beyond Meat, criada por Ethan Brown em 2009, tem uma linha diversa de produtos plant-based com sabor bastante semelhante às carnes. Para fazer isto o processo realizado é o refinamento das proteínas vegetais em laboratório repondo suas ligações usando aquecimento, resfriamento e pressão, de modo a imitar a carne animal. A empresa já recebeu muitos investimentos e seus produtos estão sendo distribuídos em mais de 5 mil lojas. Brown afirmou que seu objetivo a longo prazo é oferecer um produto que possa satisfazer a crescente demanda mundial de carne, especialmente em mercados como a Índia e a China.

New Wave Foods

A New Wave Foods é uma empresa californiana fundada por Dominique Barnes e Michelle Wolf. Em 2015 desenvolveu e começou a aperfeiçoar um produto de camarão – porque é o crustáceo mais consumido no planeta e também está entre os mais prejudiciais – com base em algas e plantas. A iniciativa já está desenvolvendo produtos para substituir lagosta, caranguejo e filés de peixe como salmã, atum e outros.

Ocean Hugger Foods

A Ocean Hugger Foods, criada pelo chef americano James Corwell, é uma empresa que faz produtos de frutos do mar à base de plantas. O seu produto de lançamento é um atum crú à base de tomates chamado Ahimi. O processo para ficar semelhante ao original remove o sabor do tomate e dá a ele a textura de carne antes de ser marinado em molho de soja, açúcar e óleo de gergelim. A empresa lancará ainda em 2018 o produto alternativa ao salmão à base de cenoura, chamado Sakimi, e o alternativo à enguias com base em berinjela, de nome Unami, além de posteriormente outros produtos.

The Not Company

A NotCo é uma startup sediada em Santiago no Chile que está desenvolvendo um algoritmo computacional que identifica os componentes moleculares das plantas que criam certos gostos e texturas para que possam ser usados para replicar produtos baseados em animais.

Follow Your Heart

Follow Your Heart é uma empresa de alimentos que começou em 1970 como um restaurante na Califórnia (EUA). Em 1977, eles começaram a vender Vegenaise, uma maionese livre de ovos. A empresa agora também produz outras linhas de alimentos veganos, como queijos veganos, molhos para saladas e o seu famoso VeganEgg, um base vegetal em pó para produção de ovos. Os produtos da Follow Your Heart são vendidos em 23 países, com um volume de negócios de cerca de 50 milhões de dólares em receitas por ano. Recentemente seus queijos passaram a ser vendidos na rede de pizzarias Domino’s na Austrália.

a company that makes products like “Chick’n” and plant-based hot dogs

Next Level Burguer

Criada por Matt and Cierra de Gruyter, a Next Level Burguer é uma rede de lanchonetes de hambúrgueres 100% à base de plantas. A empresa afirma ser a primeiro do tipo que está redefinindo a clássica experiência de hambúrguer americano. A empresa, iniciada em 2014, tem o plano de abrir mais 1000 restaurantes nos dez primeiros anos de sua existência.

Elmhurst Milked

Empresa iniciada em 1925 por Max and Arthur Schwartz inicialmente comercializando leite, hoje – após 92 anos – a Elmhrst fez uma grande mudança para ser um símbolo no mercado de leites vegetais. O empreendimento desenvolveu seu próprio processo de fabricação onde utiliza uma técnica que permite produzir um leite não-lácteo que contenha os nutrientes extraindo todas as proteínas, gorduras e micronutrientes de todos os ingredientes.

Good Dot

Fundada por Abhishek Sinha, Stephanie Downs, Deepak Parihar, Taranum Bhatia e Shruti Sonali a Good Dot é uma empresa que pretende levar carnes vegetais com preço acessível para toda Índia. Em seus produtos já há carne à base de plantas, um protéico de soja chamado Proteiz e em breve frango vegetal.

Daiya

A Daiya Foods é uma empresa de alimentos alternativos de produtos lácteos à base de plantas localizada em Vancouver. A empresa foi criada em 2008 por Andre Kroecher e Greg Blake. Seus produtos são feitos de mandioca e araruta e é conhecido por sua consistência de queijo e pelo seu derretimento e vendidos em lojas no Canadá e nos Estados Unidos, sendo também comercializados em restaurantes e em produtos alimentícios embalados feitos pela Amy’s Kitchen e Turtle Island Foods. Ela acabou sendo comprada pela Otsuka Pharmaceutical em 2017.

Gardein

A Gardein é uma linha de produtos plant-based criada há mais de 25 anos pelo chef canadense Yves Potvin. Em 2014, seus produtos foram distribuídos para mais de 22 mil lojas na América do Norte, acabou sendo comprada pela Pinnacle Foods.

Outras empresas para ficar de olho

  • Field Roast – Empresa americana que faz carne à base de plantas e o queijo sem laticínios.
  • Plant Power Fast Food – É uma pequena rede de restaurantes fast-food veganos nos Estados Unidos.
  • Sunfed Meats – É um empreendimento neozelandes que comercializa frango vegetal à base de ervilha.
  • Terrafertil – Empresa equatoriana de alimentos orgânicos baseados em plantas. Recentemente a Nestlé adquiriu parte majoritária do negócio.
  • Tofutti – Marca canadense de sorvetes à base de plantas criada por David Mintz.
  • Tofurky – Marca conhecida por seu peru vegetariano feito a partir de proteína de trigo e tofu orgânico. Seus produtos são aprovados pela Vegan Society.
  • Veggie Grill – Rede de lanchonetes de fast-food vegano. A empresa americana já recebeu mais de 20 milhões de dólares em investimentos e está em plano de expansão.
  • Wild Earth Inc – Iniciada em 2018 esta empresa pretende criar o alimento à base de plantas perfeito para cães e gatos de todas as idades.

Investidores

Há ainda muita gente investindo em empresas de exploração animal, mas na vanguarda dos investimentos em negócios à base de plantas há um grupo sedento pelo futuro sustentável que empresas inovadoras podem trazer, e claro, no lucro que elas podem dar. Eles estão de olho.

Blue Horizon

Fundo de investimentos que aposta em empresas promissoras empresas que visam romper com a indústria alimentícia tradicional visando a sustentabilidade.

EverHope Capital

Fundo privado de capital de risco que apoia empresas que criam um planeta mais sustentável e habitável para as gerações atuais e futuras.

Fifty Years

É um fundo de empresários que investe em negócios que tem como objetivo o desenvolvimento sustentável. Entre seus investimentos estão a Memphis Meats e uma empresa de couro sem animais.

Green Monday

Grupo de iniciação social que tem como objetivo combater as mudanças climáticas e a insegurança alimentar. Promove o vegetarianismo, iniciativas de resgate de alimentos e busca reduzir as pegadas de carbono desempenhando responsabilidade social e ambiental.

Humming Bird

Investidora em marcas de alimentos e bebidas saudáveis que tem aspectos sociais positivos e buscam reduzir o impacto ambiental.

New Crop Capital

É um fundo de capital de risco privado que investe em empreendedores talentosos cujos produtos ou serviços substituem os alimentos derivados da agricultura animal convencional.

VegInvest

Fundo de investimentos que fornece capital inicial e assessoria para empresas que se esforçam na substituição do uso de animais.

PowerPlant Ventures

Grupo de investidores que apoiam empresas visionárias que aproveitam o poder das plantas para oferecer uma melhor nutrição de maneira mais ética e sustentável.

Renewal Funds

É uma empresa de capital de risco de missão que investir em empresas de estágio de crescimento no Canadá e nos Estados Unidos que buscam mudanças sociais e ambientais positivas.

Stray Dog Capital

É uma empresa de capital de risco com a missão de impulsionar empreendimentos que fornecem alternativas ao uso de animais.

Você pode ver mais algumas empresas desta indústria nos seguintes links:

Uma nova revolução tecnológica

Em trecho de um texto oficial, o CEO da Impossible Foods Patrick O. Brown diz:

Duzentos anos atrás, o cavalo era sinônimo de transporte motorizado. Ninguém imaginava que um carrinho pudesse se mover, quanto mais se mover mais rápido, sem que o cavalo o puxasse. Os cavalos eram fundamentais para o funcionamento do mundo – desde a forma como cultivamos os campos até a forma como nos comunicávamos (o Pony Express). Mas, dentro de algumas décadas, os cavalos foram rapidamente substituídos completamente, como tecnologia de transporte. Eles foram substituídos não porque tivessem um impacto extremamente destrutivo no meio ambiente (mas sim), mas porque uma nova tecnologia (automóveis) superou o desempenho do cavalo na entrega de valor aos consumidores. O mercado rapidamente decidiu que os carros e outras formas de transporte mecanizado fornecem melhor valor do que o transporte movido a animais, e o resto é história.

Além do lucro, todas estas empresas tem uma missão em comum, a redução e até o fim da exploração animal, isto não envolve nenhuma revolução armada e sim uma nova revolução industrial por meio das novas tecnologias. Em breve, os consumidores terão uma alternativa real para os produtos de origem animal nos pontos de venda e eles terão mais qualidade, serão mais éticas, sustentáveis, saborosas, saudáveis e acessíveis. E agora, está convencido que os alimentos feitos em laboratório e à base de plantas dominarão o mundo e deixarão os animais livres? Eu estou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s